8 eventos ao vivo

Policiais gritavam: "Deus cria, a Rota mata", diz sobrevivente do Carandiru

Ex-detento que levou um tiro no pé foi a segunda testemunha de acusação a depor no júri dos 26 PMs acusados de envolvimento no caso

15 abr 2013
16h31
atualizado às 16h41
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
<p>Primeira etapa do julgamento do Carandiru começou nesta segunda-feira no Fórum Criminal da Barra Funda (zona oeste)</p>
Primeira etapa do julgamento do Carandiru começou nesta segunda-feira no Fórum Criminal da Barra Funda (zona oeste)
Foto: Fernando Borges / Terra

No primeiro dia de julgamento de 26 policiais envolvidos no caso que ficou conhecido como massacre do Carandiru, o ex-detento Marco Antonio de Moura afirmou à Justiça que tem fresco na memória o que ocorreu no dia 2 de outubro de 1992 na Casa de Detenção de São Paulo. Na ocasião, 111 presos foram mortos após uma briga entre criminosos e a invasão da Polícia Militar ao pavilhão 9, local em que estavam mais de 2 mil presos naquela tarde.

Como funciona o Tribunal do Júri
Carandiru: júri de PMs ocorre mesmo sem perícia em armas

"Fiquei com sangue até o meio da canela", diz perito do Carandiru
Carandiru: "não há como condenar; nem todo mundo matou", diz defesa
Acusação destacará elo entre massacre do Carandiru e criação do PCC

"Passaram 21 anos. Para mim foi como se fosse ontem", disse ele, que levou um tiro no pé na ocasião. De acordo com o sobrevivente, os policiais já entraram no presídio atirando contra os presos. "Quando deixamos o pavilhão, para ir para o pátio, eles gritavam: 'Deus cria, a Rota mata. Viva o choque'".

Moura estava no segundo pavimento do pavilhão 9, onde o processo relata que 15 detentos morreram. Por conta dessas mortes, 26 policiais são julgados no Fórum da Barra Funda a partir desta segunda-feira. O júri popular deve se estender pelo menos até o início da próxima semana - seis homens e uma mulher compõem o conselho de sentença, que decidirá o destino dos réus.

O ex-detento afirma que não se tratava de uma rebelião e que a intervenção da polícia era desnecessária. "Não era rebelião. Era um acerto de contas entre bandidos", afirmou.

O sobrevivente afirma que, ao perceber que a Polícia Militar iria invadir o local, previu o pior. "Nós vamos apanhar demais. É deles fazer corredor polonês e bater em você.", contou. Ele nega que os detentos tenham tentado enfrentar os policiais. "Não tem como enfrentar policial armado até o dente. Quem tinha faca entregou. Ao perceber os disparos nas galerias do presídio, ele disse que a situação era mais séria do que ele pensava. "Foram muitos tiros, não era comum".

Moura, que foi preso por roubo (simulando estar armado) e respondeu por uma tentativa de homicídio (que foi arquivada por falta de provas), conta como levou o tiro no pé. "Havia umas 30 pessoas dentro da minha cela. Na correria, começou a entrar um monte de gente. Em um determinado momento, o policial pôs a cara no guichê (espécie de janelinha na porta da cela) e foi muito disparo", disse ele. Entre as rajadas de metralhadoras em seu andar, ele disse que o que mais ouvia eram gritos de "pelo amor de Deus".

Perguntado pelo juiz se reconheceria algum policial que participou da operação, ele foi direto. "Não tenho vontade de olhar para a cara de nenhum deles. Só lembro que tinha um de olho azul". O detento disse ainda se recordar que tiros foram disparados por policiais que estavam sobre um helicóptero, que sobrevoava o pavilhão. "Eu dei sorte. Eu ia subir no telhado. Mas se tivesse subido, teria morrido".

Preso inicialmente em 1988, ele deixou o sistema carcerário em 1994 e, segundo ele, desde então trabalha com "carteira assinada" e não teve mais nenhum problema com a Justiça. É casado e tem três filhos. Moura foi a segunda testemunha de acusação a depor no primeiro julgamento dos policiais acusados de homicídio - os demais júris ocorrerão ainda em 2013, já que o caso foi desmembrado devido ao grande número de réus. Ao todo, 23 testemunhas foram convocadas para depor pela defesa e pelo Ministério Público.

&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;lt;a data-cke-saved-href=&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;quot;http://www.terra.com.br/noticias/infograficos/massacre-do-carandiru/iframe2.htm&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;quot; href=&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;quot;http://www.terra.com.br/noticias/infograficos/massacre-do-carandiru/iframe2.htm&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;quot;&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;gt;veja o infogr&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;aacute;fico&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;lt;/a&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;gt;

&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;lt;a data-cke-saved-href=&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;quot;http://www.terra.com.br/noticias/infograficos/massacre-do-carandiru/iframe.htm&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;quot; href=&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;quot;http://www.terra.com.br/noticias/infograficos/massacre-do-carandiru/iframe.htm&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;quot;&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;gt;veja o infogr&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;aacute;fico&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;lt;/a&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;gt;

Julgamento
Passados 20 anos do episódio que terminou com 111 presos mortos no Pavilhão 9 da Casa de Detenção de São Paulo, em outubro de 1992, 26 policiais militares serão julgados pelo caso que ficou conhecido como Massacre do Carandiru.

Pelo menos 79 PMs acusados de envolvimento nas mortes aguardam julgamento. O único que recebeu a sentença foi o coronel da Polícia Militar Ubiratan Guimarães, que coordenava a operação no dia do massacre, mas teve sua pena de 632 anos de prisão anulada em 2006, sete meses antes de ser assassinado.

Em 2 de outubro de 1992, uma briga entre presos da Casa de Detenção de São Paulo - o Carandiru - deu início a um tumulto no Pavilhão 9, que culminou com a invasão da Polícia Militar e a morte de 111 detentos. Entre as versões para o início da briga está a disputa por um varal ou pelo controle de drogas no presídio por dois grupos rivais. Ex-funcionários da Casa de Detenção afirmam que a situação ficou incontrolável e por isso a presença da PM se tornou imprescindível.

A defesa afirma que os policiais militares foram hostilizados e que os presos estavam armados. Já os detentos garantem que atiraram todas as armas brancas pela janela das celas assim que perceberam a invasão. Do total de mortos, 102 presos foram baleados e outros nove morreram em decorrência de ferimentos provocados por armas brancas. De acordo com o relatório da Polícia Militar, 22 policiais ficaram feridos. Nenhum deles a bala.

Veja também:

Polícia investiga ação do PCC nas eleições em SP
Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade