0

Associação de PMs votará doação de R$ 300 mil a réus do Carandiru

13 ago 2013
14h31
atualizado às 14h35
  • separator
  • 0
  • comentários

A Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo realizará uma assembleia na manhã dessa quarta-feira para que os membros da entidade votem a autorização da doação de R$ 300 mil para arcar com parte dos custos dos advogados de defesa dos policiais que atuaram durante a invasão da Casa de Detenção de São Paulo, no dia 2 de outubro de 1992, quando 111 detentos foram mortos após uma rebelião no Pavilhão 9.

Júri condena 23 PMs a 156 anos de prisão por massacre do Carandiru
"Vocês vão decidir que polícia querem na rua", diz defesa
Absolver PMs é 'cuspir na cara do bom policial', diz acusação
Defesa cita 'Tropa de Elite' e acusa governo para absolver PMs
MP exalta letalidade da Rota e acusa PM de 'plantar' armas

Em nota, a associação afirma que o objetivo da doação, segundo o presidente da entidade, o cabo Wilson Morais, é apoiar os policiais envolvidos, “que agiram em legítima defesa e cumpriram o seu dever em exercício regular de direito”. 

No início deste mês, a Justiça de São Paulo condenou a 624 anos de prisão 25 policiais militares acusados de participar do massacre do Carandiru. Todos poderão recorrer da sentença em liberdade. 

Em abril, outro grupo, de 23 PMs, foi condenado a uma pena de 156 anos de reclusão em regime fechado. Eles também recorrem da sentença em liberdade. 

Relembre o caso
Em 2 de outubro de 1992, uma briga entre presos da Casa de Detenção de São Paulo - o Carandiru - deu início a um tumulto no Pavilhão 9, que culminou com a invasão da Polícia Militar e a morte de 111 detentos. Os policiais são acusados de disparar contra presos que estariam desarmados. A perícia constatou que vários deles receberam tiros pelas costas e na cabeça.

Entre as versões para o início da briga está a disputa por um varal ou pelo controle de drogas no presídio por dois grupos rivais. Ex-funcionários da Casa de Detenção afirmam que a situação ficou incontrolável e por isso a presença da PM se tornou imprescindível.

A defesa afirma que os policiais militares foram hostilizados e que os presos estavam armados. Já os detentos garantem que atiraram todas as armas brancas pela janela das celas assim que perceberam a invasão. Do total de mortos, 102 presos foram baleados e outros nove morreram em decorrência de ferimentos provocados por armas brancas. De acordo com o relatório da Polícia Militar, 22 policiais ficaram feridos.

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade