PUBLICIDADE

Nunes Marques, do STF, dá direito a Witzel não ir à CPI

Caso decida dar depoimento à comissão nesta quarta-feira, ex-governador poderá permanecer em silêncio diante de questionamentos

15 jun 2021 20h27
| atualizado às 20h32
ver comentários
Publicidade
28/08/2020
REUTERS/Pilar Olivares
28/08/2020 REUTERS/Pilar Olivares
Foto: Reuters

O ministro Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal (STF), garantiu ao ex-governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel o direito de não comparecer ao depoimento previsto para esta quarta-feira, 16, na CPI da Covid do Senado e, se for, poderá permanecer em silêncio diante de questionamentos dos parlamentares.

Marques atendeu a um pedido da defesa de Witzel que alegava que o ex-governador não poderia ser tratado na CPI como uma testemunha - tendo, nesse caso, a obrigação de falar a verdade, mas sim como um investigado.

Witzel está envolvido em duas operações policiais referentes a suspeitas de desvio de recursos para o enfrentamento da pandemia, o que motivou sua convocação pela CPI.

"Em face do exposto, defiro o pedido de habeas corpus para dispensar o paciente, caso queira, de comparecer perante a CPI do Pandemia e, em caso de opção pelo comparecimento, garantir-lhe: o direito ao silêncio, a não assumir o compromisso de falar a verdade (em razão da condição de investigado e não de testemunha) e à assistência de advogado", decidiu Nunes Marques.

Witzel teve seu impeachment aprovado no final de abril, com a cassação do seu mandato, por suspeita de irregularidades em contratos da pandemia.

Veja também:

TCU vai apurar conduta de servidor por relatório sobre covid citado por Bolsonaro:

 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade