0

Oposição reage à portaria de Moro; Greenwald vê "terrorismo"

26 jul 2019
15h10
atualizado às 15h29
  • separator
  • 0
  • comentários

Partidos e parlamentares de oposição ao governo do presidente Jair Bolsonaro criticaram a portaria editada nesta sexta-feira pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, que prevê a deportação sumária de "pessoa perigosa ou que tenha praticado ato contrário aos princípios e objetivos dispostos na Constituição Federal".

Glenn Greenwald
Glenn Greenwald
Foto: Fátima Meira / Futura Press

Os opositores acreditam que a medida visa retaliar o jornalista Glenn Greenwald, do site The Intercept Brasil. O jornalista norte-americano, que mora no Brasil, é fundador do site que revelou supostas mensagens trocadas entre Moro, quando era o juiz responsável pelos processos da Lava Jato em Curitiba, e procuradores que atuam na operação. As alegadas conversas indicariam colaboração de Moro com os membros do Ministério Público Federal (MPF) responsáveis por apresentarem acusações nos processos da Lava Jato.

De acordo com informações veiculadas na imprensa, um dos suspeitos presos disse que entregou a Greenwald mensagens obtidas com o hackeamento de forma anônima e sem pedir pagamento em troca. O jornalista afirma ter obtido as mensagens de uma fonte anônima.

"A publicação da portaria 666 é uma ameaça e uma afronta de um ministro da Justiça que usará seus poderes políticos para calar as vozes da oposição", disse o PT em sua conta no Twitter.

O líder da oposição na Câmara, Alessandro Molon (PSB-RJ), usou a mesma rede social para classificar a portaria assinada por Moro de "estranhíssima".

"Estranhíssima portaria (nº 666!) do ministro Moro prevendo a deportação de estrangeiros 'perigosos'. Perigosos para quem? Para a reputação dele? Não aceitaremos o cerceamento de garantias individuais. Não vamos tolerar supressão da liberdade de imprensa. Não rasgarão a Constituição!", escreveu o parlamentar.

O próprio Greenwald, que é casado com o deputado David Miranda (PSOL-RJ), também usou o Twitter para reagir à portaria, que classificou como "terrorismo".

"Hoje Sergio Moro decidiu publicar aleatoriamente uma lei sobre como os estrangeiros podem ser sumariamente deportados ou expulsos do Brasil 'que tenha praticado ato contrário aos princípios e objetivos dispostos na Constituição Federal.' Isso é terrorismo", criticou.

Procurada, a assesoria de imprensa do Ministério da Justiça e Segurança Pública não respondeu de imediato a um pedido de comentário sobre as críticas à portaria assinada por Moro.

Veja também:

Senadores pedem documentos sobre espionagem a Greenwald
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade