PUBLICIDADE

Governo não fará novo acordo sobre MP do seguro-desemprego

Medida faz ajustes nas regras de acesso ao seguro-desemprego, abono salarial e benefício para o pescador artesanal

5 mai 2015 - 15h47
(atualizado às 15h47)
Compartilhar
Exibir comentários
Deputado José Guimarães diz que partido está unido pela aprovação da medida
Deputado José Guimarães diz que partido está unido pela aprovação da medida
Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

O líder do governo na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE) afirmou nesta terça-feira (5) que o governo não está aberto a novas negociações sobre a Medida Provisória (MP) 665/14 que faz ajustes nas regras de acesso ao seguro-desemprego, ao abono salarial e ao benefício para o pescador artesanal.

Guimarães disse que as negociações durante a tramitação do texto que faz parte das propostas de ajuste fiscal do governo chegaram a exaustão na comissão mista criada para analisar a matéria: “Não tem essa de recuo. O governo negociou aquilo que era necessário negociar com o Congresso, inclusive reconhecendo o papel do Parlamento. Negociamos bem e 90% de tudo o que foi sugerido nós acolhemos, portanto o texto está pronto, é fundamental para o país e vamos lutar para aprová-lo tal como saiu da comissão”.

Siga o Terra Notícias no Twitter

Guimarães afirmou que esse é o recado que levará a outros parlamentares do PT reunidos agora na Câmara para discutir uma estratégia harmônica em torno da MP e mostrar que o partido está unido pela aprovação da medida. A matéria foi aprovada na semana passada pela comissão de senadores e deputados e chegou ao plenário da Casa, trancando a pauta e impedindo outras votações.

“A base [do governo] está se consolidando e nossa expectativa é votar a MP, aprová-la e sinalizar para o país que o Congresso está fazendo sua parte. Estou vindo convencer a todos para fecharmos questão e mostrarmos que o PT é o principal protagonista na defesa do ajuste”, completou o líder.

A MP 665 é uma das matérias que o Executivo defende para conseguir ajustar as contas do país. Outra matéria que ainda aguarda votação em comissão mista é a MP 664/14 que trata das regras para concessão do auxílio doença e pensão por morte. O vice-presidente da República, Michel Temer, chegou a alertar o Congresso sobre a necessidade desse acerto para evitar que o corte de gastos do governo, previsto para ser anunciado este mês, seja “muito radical”. O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preferiu não se manifestar sobre o conteúdo da matéria e afirmou que fará “seu papel” e vai se empenhar para que a apreciação das MPs seja concluída rapidamente. Como aviso aos parlamentares que pretendem obstruir a votação, Cunha afirmou que manterá o rigor que tem adotado em outras sessões.

Dilma critica terceirização irrestrita e pede regulamentação:
Agência Brasil Agência Brasil
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade