PUBLICIDADE

Paraná Clube não deve a Carlos Werner; confira lista atualizada de credores

Os credores do Paraná Clube entraram para valer na briga pela reconstrução do Tricolor nesta semana. Com pelo menos três...

19 abr 2024 - 14h04
Compartilhar
Exibir comentários

Os credores do Paraná Clube entraram para valer na briga pela reconstrução do Tricolor nesta semana. Com pelo menos três manifestações de advogados, que representam mais de 90 empresas e pessoas para quem o clube deve, o consórcio de credores pede pressa na autorização da venda (ou leilão) da sede da Kennedy. A situação está travada pelo impedimento previsto em lei municipal, e por isso os paranistas negociam nos bastidores com a classe política para liberar a área para ser negociada.

E quem são estes credores? Na última atualização de valores e nomes, enviada pela Companhia Brasileira de Administração Judicial, que cuida da recuperação judicial do Paraná Clube, são ao todo 466. Somados, o valor chegam a R$ 126.069.160,11. Este total está no 'guarda-chuva' da RJ tricolor, diferente dos R$ 48 milhões de dívidas com a União. Por isso, o débito total é de R$ 174 milhões. Mas nesta lista de 466 pessoas e empresas (veja a relação completa ao final do texto) estão vários personagens ligados à história paranista.

Mas, ao contrário do que foi publicado, Carlos Werner não é um credor do Paraná Clube. O empresário, mecenas do Tricolor em 2017, ano do acesso para a primeira divisão, tem negócios com o clube, mas não há dívidas. Tanto que neste momento há a negociação para nova cessão do Ninho da Gralha. Werner é considerado uma das pessoas fundamentais no processo de recuperação paranista.

Ex-jogadores e treinadores do Paraná Clube

São exatos 400 processos trabalhistas envolvendo o Paraná Clube dentro da recuperação judicial. E é também a maior fatia da dívida - R$ 63.873.880,19. Grande parte destes processos envolve jogadores que passaram pela Vila Capanema. Em uma rápida olhada é possível ver Bruno Grassi, Aderaldo, Adoniram, Caio Henrique, Darci, Eder Sciola, Edson Sitta, Eduardo Brock, Flávio Pantera, Felipe Alves, João Pedro, Alemão, Zé Roberto, Nadson, Leandro Almeida e Wellington Silva.

A lista também está repleta de ex-treinadores - simbolizando também a troca incessante de profissionais que no final atrapalhou o Paraná Clube dentro e fora de campo. Ricardinho, Ricardo Pinto, Gilmar Dal Pozzo, Rogério Micale, Luciano Gusso, Guilherme Macuglia e Allan Aal estão entre os credores. Membros de comissões técnicas do Tricolor também estão, como Noslen Mehl, Jonathan Zaze e Ednelson, assim como os ex-diretores remunerados Alex Brasil e Marcos Mathias Lammers.

Cartolas, clubes e empresas

Ex-presidentes também fazem parte da lista de credores do Paraná Clube. Aquilino Romani e Ênio Ribeiro fazem parte do grupo, onde também estão os ex-dirigentes Aldo Coser, Durval Lara Ribeiro, Pedro Poitevin, Waldomiro Gayer Neto e os já falecidos Márcio Vilella e Altair Barranco. Um dos credores mais ativos nas discussões da Justiça é o Fluminense, que inclusive foi voto vencido nas assembleias que aprovaram a recuperação judicial.

O principal credor, em valores, é a empresa Bom Atleta Sociedade Empresarial, a BASE, do empresário Renê Bernardi - que também é credor como pessoa física. A dívida total do Paraná Clube com a BASE é de R$ 17.937.650,04. O advogado da empresa, Henrique Richter Caron, foi um dos que protocolou o pedido à Justiça de celeridade na resolução da situação de Kennedy. Hoje há um entendimento geral de que se não houver a negociação da área, será quase impossível o Paraná iniciar os pagamentos da recuperação judicial em setembro.

Confira a lista completa de credores do Paraná Clube

03.RelacaodeCredoresParana-1 Baixar
Foto: Divulgação/PR / Banda B
Banda B
Compartilhar
Publicidade
Publicidade