PUBLICIDADE

Onda de execuções na fronteira com o Paraguai faz polícia investigar grupos de extermínio

Nova onda de violência assusta moradores dos dois países; em todos os casos, criminosos se disseram 'justiceiros' e deixaram mensagens com ameaças a supostos ladrões

2 ago 2021 15h10
| atualizado às 18h33
ver comentários
Publicidade

SOROCABA - As polícias do Brasil e do Paraguai investigam a possível ação de grupos de extermínio em cidades da linha de fronteira entre os dois países. Só nesta semana, seis pessoas foram assassinadas com características de execução em Ponta Porã, no sul do Mato Grosso do Sul, e em sua vizinha paraguaia, Pedro Juan Caballero. Duas vítimas tiveram as mãos decepadas e uma também foi degolada e esquartejada. A nova onda de violência assusta os moradores das duas cidades. Em todos os casos, os criminosos se disseram 'justiceiros' e deixaram mensagens com ameaças a supostos ladrões.

As duas cidades formam a principal base do crime organizado na fronteira e a polícia brasileira não descarta possível ligação dos crimes com a atuação da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), que passou a controlar o tráfico de drogas e armas na região. Conforme a Secretaria de Justiça e Segurança Pública do Mato Grosso do Sul, só no lado brasileiro da fronteira, 51 pessoas foram executadas este ano.

Os dois últimos assassinatos aconteceram neste domingo, 1º, em Pedro Juan Caballero. Os brasileiros Robson Martines de Souza, 21 anos, e Jeferson Martines de Souza, de 18, foram atacados a tiros por ocupantes de uma caminhonete, próximo da linha de fronteira. A polícia paraguaia recolheu mais de 30 cápsulas de projéteis no local. Eles seriam primos. Próximo dos corpos, a polícia encontrou um bilhete em cartolina verde, com um alerta escrito em espanhol. "Nós, os justiceiros da fronteira, deixamos bem claro a todos que não vamos permitir roubo na fronteira de gente trabalhadora (sic)."

Na quinta-feira, 29, um homem foi sequestrado em Ponta Porã e seu corpo foi encontrado, algumas horas depois, decapitado e esquartejado. O carro usado pelos sequestradores, um Toyota Corolla preto, foi encontrado em chamas, na margem da BR-463, que liga Ponta Porã a Dourados (MS). Testemunhas disseram à polícia que homens encapuzados perseguiram a vítima, identificada como Eduardo Alvarenga Gonzales, no bairro Universitário. Depois de atingir Eduardo com tiros, os criminosos o colocaram ainda viva no porta-malas do Corolla.

Junto ao corpo, foi achado um bilhete com um aviso sobre quem seriam os próximos alvos. "Atenção Celso Gonçalves e Leandro Gonçalves (Surubim) voceis (sic) são os próximos". Equipes da Polícia Civil de Ponta Porã e do Departamento de Operações da Fronteira (DOF) investigam os casos no lado brasileiro e trocam informações com a Polícia Nacional do Paraguai. Até a tarde da sexta-feira, 30, nenhum suspeito tinha sido preso.

Entre as vítimas está um casal de namorados paraguaios, assassinado com 35 tiros, na segunda-feira, 26, em uma choperia de Pedro Juan Caballero. Mateo Martinez Armoa, de 21 anos, e Anabel Centurion Mancuelo, de 22, foram executados com mais de trinta tiros. Junto aos corpos, a polícia encontrou um recado em espanhol: "Favor não roubar. Ass: Justiceiros a Fronteira". O casal estava em uma choperia, comemorando o aniversário dela. A polícia acredita que o alvo dos pistoleiros era o rapaz, que levou a maioria dos tiros. Mateo era procurado por roubo pela polícia paraguaia desde 2018. A jovem ainda foi socorrida, mas não resistiu.

Na terça-feira, 28, a polícia de Pedro Juan Caballero encontrou o corpo do jovem Derlis Alonso Cardoso, de 17 anos, com sinais de tortura. Ele teve as duas mãos cortadas. Em alguns países árabes, cortar as mãos era uma forma legal de punição aos condenados por roubo. Sobre as pernas da vítima, a polícia encontrou uma folha de papel com a mensagem em espanhol: "Assinado: Os vigilantes. Estamos de volta, vamos por todos, é só o começo. Morte aos ladrões". Ele teve parte da pele da barriga arrancada e os órgãos estavam expostos.

No dia 18 de maio, três homens foram mortos a tiros na cidade paraguaia de Yby Yaú, próxima da fronteira com Ponta Porã. Junto aos corpos, os criminosos colocaram um cartaz com o aviso: "Não roubem". Uma das vítimas, de 29 anos, foi retirada à força de dentro de casa e, antes de ser morta, teve uma das mãos decepada. As três pessoas mortas tinham passagens pela polícia, inclusive por furtos e roubos.

Ligação com PCC é investigada

Conforme o secretário de Justiça e Segurança Pública do Mato Grosso do Sul, Antônio Carlos Videira, as mortes podem ser uma ação de traficantes eliminando pessoas que estariam envolvidas em roubos. "Os crimes contra o patrimônio geram clamor público que enchem a região de polícia e isso atrapalha o negócio deles", afirmou. Ele não descarta uma possível ligação desses crimes com o PCC. "Pode ser, já que os mortos teriam cometido roubos e isso atrapalha o tráfico."

Segundo o secretário, as investigações acontecem também do lado brasileiro, pois uma das vítimas foi sequestrada no Brasil. "Além disso, vários corpos foram deixados no lado brasileiro", disse. Outros crimes com as mesmas características aconteceram anteriormente no lado paraguaio. "De uns tempos para cá, vários suspeitos de roubos têm sido mortos com essas características de execução e com recados do motivo. Neste último, deram até o nome dos próximos (a serem mortos)."

Para Videira, há indícios de envolvimento do crime organizado nessas execuções. "Lá não admitem ladrões, pois atraem a polícia. Essas organizações criminosas têm sofrido muito prejuízo com as apreensões de drogas. Foram mais de 470 toneladas só este ano, e apenas pelas forças policiais estaduais." Segundo ele, as polícias de Ponta Porã e Pedro Juan Caballero trabalham em conjunto para identificar os criminosos e esclarecer os crimes.

Estadão
Publicidade
Publicidade