0

Boato de novos ataques causa pânico em escolas

Pais correm para buscar filhos em colégios da rede pública depois de receberem mensagens nas redes sociais; aulas ocorreram normalmente

16 mar 2019
03h16
atualizado às 08h38
  • separator
  • comentários

"Padre Anchieta, né? Massacre escolar agendado", dizia a mensagem, acompanhada da foto de uma arma, que circulava entre alunos e pais de três escolas de cidades diferentes. A suposta ameaça causou pânico nas unidades, familiares buscavam diretorias para obter mais informações e queriam buscar os filhos antes do término das aulas. Após o atentado na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano (SP), diversos colégios passaram a receber trotes com ameaça de possíveis ataques.

A mesma mensagem foi encaminhada a alunos e professores da Escola Estadual Padre Anchieta, em Diadema; Escola Miguel Vicente Cury, no bairro Padre Anchieta, em Campinas; e para a Escola Bady Bassit, na Vila Anchieta, em São José do Rio Preto. Segundo a Secretaria Estadual de Educação, as três unidades tiveram aula normalmente e sem incidentes ontem.

"Pais ligavam ou vinham até a escola bastante nervosos, querendo saber se estava tudo bem, se havia acontecido algo. Alguns quiseram levar os filhos para casa. Uma situação que nunca vivemos antes", contou uma professora da unidade de Campinas, que pediu anonimato.

Moradores deixaram flores em homenagem às vítimas na escola Raul Brasil, em Suzano
Moradores deixaram flores em homenagem às vítimas na escola Raul Brasil, em Suzano
Foto: Ueslei Marcelino / Reuters

A comerciante Susi dos Santos, de 39 anos, foi uma das mães que foram ao colégio, quando recebeu a mensagem nas redes sociais. "Depois do que aconteceu, ficamos em choque. Não arrisco deixar meu filho na escola, se tiver dúvidas sobre a segurança dele."

Além do boato sobre a suposta ameaça, na unidade de Diadema também circulou nas redes sociais um falso comunicado da direção, orientando os pais a não enviarem os filhos à escola. "Não sabemos ainda se é apenas uma brincadeira de muito mau gosto ou uma ameaça real, mas, depois do lamentável episódio de Suzano, não podemos ficar imóveis", dizia a mensagem que circulava entre os parentes. A secretaria informou que a direção não fez essa recomendação e disse que as aulas ocorreram normalmente.

"As mensagens parecem ser trote ou brincadeira mesmo, mas todo mundo está muito impactado com o que aconteceu. A gente prefere pecar pelo excesso de cuidado. Os alunos estão muito assustados e no dia do massacre só perguntavam e conversavam sobre como fugiriam e onde se esconderiam se entrasse uma atirador na escola", disse uma professora da unidade de Diadema, que também não quis se identificar.

A comerciante Silvia Hirakawa, de 37 anos, ainda não sabe quando vai deixar o filho de 12 anos voltar às aulas na Estadual Luiza Hidaka, em Suzano. Ela recebeu mensagens e ouviu boatos de que havia planos para um ataque na unidade no mesmo dia em que houve o massacre. "Não sei se é verdade, mas não consigo arriscar. Ainda não sei se ele volta para a escola na próxima semana. Se tivesse dinheiro, matriculava em um colégio particular porque acho mais seguro". A cidade decretou luto de três dias e toda a rede pública suspendeu as aulas.

Pais e professores pedem reforço na segurança das escolas. Os pedidos vão desde muros e portões até câmeras e fechaduras eletrônicas. A secretaria estadual diz fazer levantamento para identificar unidades mais "vulneráveis" e reavalia procedimentos de segurança.

Também informou que as aulas ocorrem normalmente nas escolas citadas pelo Estado, apesar de alguns pais terem "optado por não levar seus filhos". A pasta não informou a taxa de faltosos nos últimos dois dias.

Já a pasta da Segurança Pública disse que não há registro de ocorrências nas delegacias da área. Acrescentou que equipes da PM estão atentas à movimentação nas unidades citadas.

Orientação

A pasta da Educação destacou a parceria com a Ronda Escolar da PM no entorno de todas as unidades da rede e disse que os colégios receberam orientações de como trabalhar o tema com pais e alunos.

'Precisamos dar segurança, sem falsas soluções'

Entrevista com Nelson Pedro da Silva, expert em Psicologia Escolar pela Unesp.

Por que episódios fortes, como o de Suzano, podem traumatizar e causar pânico em pessoas que não têm ligação com o ocorrido?

Professores, alunos e pais começam a indagar se tal episódio não poderia acontecer nas escolas da sua comunidade. A situação é mais preocupante naquelas unidades que já apresentam situações de violência, como a prática do bullying, sobretudo naquelas localizadas nas regiões periféricas dos grandes centros urbanos.

É preciso cuidado para evitar que o medo leve à adoção de medidas de segurança que podem prejudicar o ensino e o desenvolvimento dos estudantes?

Precisamos de medidas urgentes para equacionar o pânico e dar segurança para nossos alunos e professores, sem cair em falsas soluções. O problema é que muitos agentes públicos acabam apontando para o caminho oposto e indo contra o que dizem especialistas em educação e segurança pública. Apontam soluções que podem levar nossa sociedade a se tornar ainda mais bélica, intolerante e desrespeitosa. Medidas como essas podem tornar o ambiente escolar mais hostil e violento.

O que é fundamental para um ambiente escolar mais seguro?

Qualquer medida passa, necessariamente, pela recuperação do sentido da instituição escolar. Ela deve existir para auxiliar no processo de desenvolvimento de nossas crianças e adolescentes em direção à cultura da paz.

Veja também

Escândalo sexual abala universo do K-pop na Coreia do Sul

 

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade