4 eventos ao vivo

Alvo de decisão polêmica, Coaf ajudou a bloquear R$ 176 mi suspeitos em 2018 

No ano passado, órgão que alerta polícia e MP sobre transações financeiras suspeitas, encaminhou 7.345 relatórios; presidente do STF suspendeu todas as investigações em curso no país que tenham sido iniciadas com base em dados compartilhados pelo Coaf.

18 jul 2019
06h35
atualizado às 08h50
  • separator
  • 3
  • comentários

O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), responsável por identificar transações financeiras atípicas e encaminhar relatórios de inteligência a órgãos de investigação e controle, ajudou a bloquear R$ 176 milhões de origem suspeita no ano passado.

Ao decidir sobre pedido do senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, presidente do STF mandou paralisar todas as investigações iniciadas a partir de informações do Conselho de Controle de Atividades Financeiras e da Receita Federal
Ao decidir sobre pedido do senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, presidente do STF mandou paralisar todas as investigações iniciadas a partir de informações do Conselho de Controle de Atividades Financeiras e da Receita Federal
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Em 2018, esse valor foi quase quatro vezes maior que no ano anterior, quando os bloqueios judiciais no Brasil e no exterior com base em relatórios do órgão totalizaram R$ 46 milhões.

Segundo balanço do próprio Coaf, em 2018, o órgão produziu e distribuiu 7.345 Relatórios de Inteligência Financeira (RIFs), listando mais de 378 mil pessoas físicas e jurídicas que fizeram transações atípicas - por exemplo, operações com indícios de lavagem de dinheiro ou de "financiamento do terrorismo". Os relatórios, enviados a órgãos de controle como a polícia e o Ministério Público, podem listar, por exemplo, saques em série, transações em espécie e compras de joias, carros ou imóveis de luxo.

Os números, dizem especialistas, mostram que o órgão é uma peça-chave no combate a crimes como lavagem de dinheiro, terrorismo e corrupção.

O Coaf esclarece que não faz investigações. O órgão afirma que apenas "subsidia eventual instauração de procedimento investigativo" ao coletar indícios de crimes que "devem ser adequadamente investigados pelas autoridades competentes".

Fica a cargo de instâncias do Ministério Público e da polícia, por exemplo, a decisão de pedir à Justiça a quebra de sigilo bancário de uma pessoa jurídica ou física.

Mas nesta semana, pela primeira vez desde que o Coaf foi criado, em 1998, o "subsídio" de informações fornecidas pelo órgão teve sua dinâmica alterada, pelo menos temporariamente.

O ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu todas as investigações em curso no país que tenham sido fundamentadas em dados sigilosos compartilhados pela Receita Federal e pelo Coaf sem autorização prévia da Justiça.

Toffoli acatou pedido da defesa do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), um dos cinco filhos do presidente Jair Bolsonaro, que questiona o uso de informações produzidas pelo Coaf em investigação do Ministério Público do Rio de Janeiro. Relatório do órgão apontou operações bancárias suspeitas de 74 servidores e ex-servidores da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), entre eles de Fabrício Queiroz, motorista e assessor de Flávio Bolsonaro quando o congressista era deputado estadual.

Queiroz (à dir.) é ex-motorista e ex-segurança do hoje senador Flávio Bolsonaro
Queiroz (à dir.) é ex-motorista e ex-segurança do hoje senador Flávio Bolsonaro
Foto: Reprodução/Instagram / BBC News Brasil

Toffoli disse ser "temerário do ponto de vista das garantias constitucionais que assistem a qualquer indiciado ou a qualquer pessoa sob investigação do Estado" que o Ministério Público vinha conduzindo investigações "sem supervisão judicial".

A decisão de suspender as investigações vale ao menos até 21 de novembro. Essa é a data marcada para o plenário do STF discutir a validade de provas obtidas pelo Fisco e pelo Coaf e compartilhadas entre órgãos de controle sem autorização da Justiça.

Para Marco Aurélio Florêncio Filho, professor de direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie e pós-doutor em direito penal econômico, o Coaf "tem amparo legal para fazer os relatórios e podemos dizer que é um caso de sucesso". Ele lembra que o Coaf foi criado por pressão internacional por mais transparência no combate à lavagem de dinheiro. "Ele não faz juízo de valor nem diz se há crime. Apenas lista operações suspeitas".

O delegado da Polícia Federal e vice-presidente da Associação Nacional dos Delegados da PF (ADPF), Luciano Leiro, explica que o Coaf é importante porque "otimiza as investigações, principalmente de lavagem de dinheiro" ao indicar quem e quais transações são suspeitas. "Havendo indícios", diz Leiro, delegados e procuradores podem pedir à Justiça a quebra de sigilo para aprofundar as investigações.

Mas o que são transações atípicas listadas pelo Coaf? E quem fornece informações ao órgão que chegou a ser disputado pelo ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública).

Moro, que, como juiz, despontou ao comandar julgamentos de primeira instância de crimes identificados pela Operação Lava Jato, conseguiu, no início do governo Bolsonaro, que o Coaf - que por 20 anos esteve sob a estrutura do Ministério da Fazenda - fosse transferido para o Ministério da Justiça. Mas o órgão acabou voltando para o Ministério da Economia por decisão do Congresso.

Transações em dinheiro vivo acima de R$ 30 mil devem ser obrigatoriamente comunicadas por bancos, joalherias e comerciantes de pedras precisosas
Transações em dinheiro vivo acima de R$ 30 mil devem ser obrigatoriamente comunicadas por bancos, joalherias e comerciantes de pedras precisosas
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Os relatórios do Coaf são produzidos com base em informações fornecidas por setores obrigados a reportar todas as transações suspeitas e acima do limite estipulado por normas internas.

Além dos bancos, fornecem informações ao Coaf corretoras, empresários de artistas e atletas, joalherias, comerciantes de pedras preciosas, operadoras de cartão de crédito e até bingos.

Transações em espécie acima de R$ 30 mil precisam, necessariamente, ser comunicadas ao Coaf. Esse valor é de R$ 50 mil para empresas de fomento comercial ou mercantil (factoring).

Além disso, esses setores precisam manter cadastros atualizados de seus clientes e comunicar transações consideradas suspeitas.

"Há sanções administrativas e penais para quem não fornece as informações", diz o professor Florêncio Filho.

Sergio Moro e o atual presidente do Coaf, Roberto Leonel, tentaram manter o órgão sob a estrutura do Ministério da Justiça para facilitar investigações
Sergio Moro e o atual presidente do Coaf, Roberto Leonel, tentaram manter o órgão sob a estrutura do Ministério da Justiça para facilitar investigações
Foto: Cerimônia de entrega dos Diplomas de Mérito COAF, / BBC News Brasil

Somente em 2018, foram quase 3 milhões de comunicações recebidas pelo Coaf sobre transações suspeitas e em espécie. Atualmente, a base de dados reúne mais de 16,7 milhões de comunicações de operações financeiras.

O professor explica que as informações recebidas não necessariamente resultam em relatórios ou são repassadas a autoridades de outros órgãos. "O Coaf trabalha com inteligência artificial e big data. O cruzamento de informações é automatizado e, a partir das red flags (alertas), é que um analista avalia os dados", detalha o professor.

Esses relatórios são enviados às autoridades competentes que também podem, diz Florêncio Filho, solicitar ao Coaf a verificação de operações atípicas de pessoas e empresas.

"Há uma via de mão dupla e colaboração entre os órgãos", observa.

Segundo relatório de gestão do próprio Coaf, trocas de informação com autoridades policiais e com o Ministério Público responderam por 85% do total de intercâmbios realizados pelo órgão no ano passado. O judiciário estadual e federal, a Controladoria Geral da União, comissões parlamentares de inquérito e a Receita também são órgãos que trocam informações e podem receber relatórios do Coaf.

"Eles já têm um sistema bem desenvolvido e mandam para os órgãos de interesse como a Polícia Civil, a Polícia Federal, ou o Ministério Público", diz o professor.

O número de relatórios produzidos pelo Coaf subiu significativamente nos últimos anos. Saltou de 1.169 em 2006 para 7.345 em 2018, um aumento de mais de 500%.

O órgão também tem intensificado a fiscalização sobre setores que deveriam fornecer informações.

"Foram realizadas 596 ações de fiscalização para verificação de conformidade das obrigações voltadas à prevenção da lavagem de dinheiro e do financiamento do terrorismo. (...) Neste ano, foram julgados 132 PAP (Processo Administrativo Punitivo) de empresas e dirigentes, com aplicação de R$ 78,6 milhões em multas e a inabilitação de um dirigente", diz relatório do órgão.

Falta de estrutura

Florêncio Filho pondera que instituições de transparência, fiscalização, investigação e controle deveriam ter regras mais claras e até protocolos formais para trocar e receber relatórios do órgão. Isso reduziria, diz ele, o risco de mau uso dos dados.

Ele observa ainda, contudo, que a tendência de aumentar a transparência e o controle de transações financeiras com o objetivo de combater a lavagem de dinheiro e o terrorismo é internacional. "Não é um movimento isolado, é global, encabeçado principalmente por americanos e pela União Europeia para uma troca cada vez maior de informações", diz.

Luciano Leiro, da ADPF, concorda: "O Coaf não é uma invenção do Brasil, todos os países modernos possuem órgãos de inteligência financeira.". "O Coaf é extremamente importante no combate à lavagem de dinheiro e no combate à corrupção. É uma das melhores unidades financeiras do mundo em termos de atuação, possuindo sistemas modernos e legislação bem abrangente", completa.

Apesar de salientar a importância do órgão, com sede em Brasília e que com cerca de 40 profissionais, Leiro diz que falta ao Coaf estrutura e pessoal próprio. "Os poucos que atuam em regra são cedidos (por outros órgãos) ou comissionados (não concursados)".

Veja também

'Vou continuar batalhando', diz bacharel em Direito com paralisia cerebral

 

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
  • separator
  • 3
  • comentários
publicidade