2 eventos ao vivo

Bolsonaro reitera saída de conselho da ONU após apoio a Lula

Candidato a presidente pelo PSL voltou a defender retirado do País do conselho do órgão, que solicitou ao Brasil que Lula seja candidato

18 ago 2018
14h02
atualizado às 14h03
  • separator
  • comentários

O candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) reafirmou na manhã deste sábado (18), em sua conta pessoal no Twitter, que é a favor de tirar o Brasil do Conselho de Direitos Humanos da ONU, um dia depois de o órgão ter recomendado que o País permita o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de disputar a eleição presidencial.

Jair Bolsonaro, candidato do PSL à presidência da república, chega ao Grupo Bandeirantes de Comunicacão para participar do debate entre os candidatos à presidência, na noite desta quinta-feira, 09.
Jair Bolsonaro, candidato do PSL à presidência da república, chega ao Grupo Bandeirantes de Comunicacão para participar do debate entre os candidatos à presidência, na noite desta quinta-feira, 09.
Foto: ADRIANA SPACA/FRAMEPHOTO / Estadão Conteúdo

"Há mais ou menos 2 meses falei em entrevista que já teria tirado o Brasil do conselho da ONU, não só por se posicionarem contra Israel, mas por sempre estarem ao lado de tudo que não presta. Este atual apoio a um corrupto condenado e preso é só mais um exemplo da nossa posição", escreveu o candidato, que não citou por completo o Conselho de Direitos Humanos da ONU, mas se referiu à recomendação dada pelo órgão nesta semana.

Condenado a 12 anos de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, Lula teve sua candidatura registrada na quarta-feira passada, último dia do prazo determinado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O petista, no entanto, poderá ser impedido de disputar a eleição, em razão da Lei da Ficha Limpa, que proíbe que cidadãos condenados em segunda instância, como é o caso de Lula, sejam candidatos.

Nesta sexta (17), porém, o órgão Conselho de Direitos Humanos da ONU solicitou que o Brasil tome todas as medidas necessárias para que Lula possa desfrutar e exercer seus direitos políticos, enquanto esteja na prisão, como candidato para as eleições presidenciais.

O Conselho é formado por especialistas independentes que monitoram a implementação, pelos Estados partes, dos principais tratados internacionais de direitos humanos adotados pela Assembleia Geral da ONU. Eles atuam de forma independente da ONU. A decisão do órgão é considerada como uma recomendação e, no passado, outros governos estrangeiros já ignoraram a solicitação. No início do ano, por exemplo, a Espanha não cumpriu decisões do mesmo comitê em relação a políticos catalães.

Veja também

 

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade