PUBLICIDADE

Uma em cada duas mulheres vítimas de homicídio no Brasil foi assassinada por arma de fogo

Relatório do Instituto Sou da Paz ainda concluiu que a maior parte dos casos acontece dentro de casa

8 mar 2024 - 11h28
Compartilhar
Exibir comentários
Resumo
Relatório mostra que 28% das mortes por arma de fogo em mulheres no Brasil são causadas por parceiros íntimos. A faixa etária mais atingida vai de 20 a 39 anos e as ocorrências são maiores entre pretas e pardas. 45% dos casos ocorrem em vias públicas e 25% dos assassinos estavam sob efeito de álcool.
Relatório traz dados alarmantes sobre a violência de gênero no Brasil
Relatório traz dados alarmantes sobre a violência de gênero no Brasil
Foto: iStock/demaerre

No Dia Internacional da Mulher, é preciso destacar um dado alarmante: metade das mulheres assassinadas no Brasil em 2022 foi morta por arma de fogo. Na maioria das vezes, o crime tem como autor uma pessoa do convívio. Os dados são do Instituto Sou da Paz, que mapeou o papel da arma de fogo na violência de gênero no Brasil.

Segundo o levantamento, 28% dos assassinos são parceiros íntimos. Já o assassinato com autoria de amigos ou conhecidos soma 9% das ocorrências, enquanto o crime cometido por familiares acumula 6% dos casos reportados. 

Muitas vezes, a violência por arma de fogo também está associada a outros indicativos de perigo. Segundo o relatório, a maioria dos casos estava relacionada com agressão física (52%), psicológica (22%) e sexual (15%). A faixa etária mais atingida vai de 20 a 39 anos e representa cerca de 60% do total das ocorrências. Destas mulheres, sete em cada dez são pretas ou pardas. 

O relatório também analisou as ocorrências entre 2012 e 2020 e concluiu que, em média, 2.200 mulheres morreram a cada ano por arma de fogo no Brasil. Isso equivale a 6 mortes por dia. O ano com maior número de casos foi 2017, quando 4.928 mulheres foram assassinadas por arma letal. 

Mesmo mais escolarizadas, mulheres ganham 21% menos que homens Mesmo mais escolarizadas, mulheres ganham 21% menos que homens

Em contrapartida, os homicídios de mulheres por arma de fogo têm caído. No último ano analisado, 2022, o número de vítimas chegou a 3.788, mais de mil ocorrências a menos que em 2017, por exemplo.

O que aumentou foi o número de casos envolvendo violência armada não letal, ou seja, quando a mulher é ferida e sobrevive. Em 2021, eram 3.304 casos. Já em 2022, as ocorrências chegaram a 3.793.

Dentro de casa

Outro ponto a ser observado é o local onde o crime ocorre: em suas casas. O que era para ser um espaço seguro para estas mulheres, é, na verdade, o cenário de 27% dos crimes reportados. A taxa, aliás, vem crescendo desde 2012, quando os assassinatos em casa somavam 19%.  

O relatório também aponta que as mulheres negras são mais vulneráveis a sofrer violência armada fora de casa. Isso porque 45% dos assassinatos aconteceram em vias públicas, contra 24% dentro de casa. Já entre as mulheres não negras, a taxa é menos discrepante: 33% correm maior risco de morrer por arma de fogo em via pública, enquanto 34% dentro de casa. 

Norte e Nordeste 

No Brasil, a maior parte da população é feminina: 51,5% dos habitantes são mulheres, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O último censo, divulgado em 2023, ainda mostra que as mulheres são maioria em todas as regiões do país.

Estados com maior índice de morte de mulheres por arma de fogo estão no Norte e Nordeste
Estados com maior índice de morte de mulheres por arma de fogo estão no Norte e Nordeste
Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil

No entanto, algumas regiões parecem ser mais perigosas para a população feminina. De acordo com os dados do Instituto Sou da Paz, o Norte e o Nordeste registram os maiores indicativos de homicídios femininos por arma de fogo, com taxas de mortes de 3 e 2,6 a cada 100 mil habitantes, respectivamente. 

Entre os estados com mais ocorrências, estão o Ceará (4,3), Rondônia (3,9) e Bahia (3,6). Já o Sudeste tem a taxa mais baixa, de 0,8, seguida de Centro-Oeste (1,7) e Sul (2).

Consumo de álcool 

A pesquisa trouxe outro dado importante para entender o panorama da violência de gênero no Brasil. Segundo o levantamento, o agressor estava sob consumo de álcool em cerca de 25% das notificações de violência armada não letal. Dentro de casa, essa taxa sobe para 35% dos casos. 

O relatório do Instituto Sou da Paz usou dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) e do Sistema Nacional de Vigilância de Agravos de Notificação (Sinan) para concluir o estudo. O período analisado pela organização foi de 2012 a 2022, último ano com dados disponíveis pelo Ministério da Saúde. 

Os 10 estados brasileiros em que as mulheres mais pediram medida protetiva contra agressores Os 10 estados brasileiros em que as mulheres mais pediram medida protetiva contra agressores

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade