PUBLICIDADE

'Somos atacadas', diz Sonia Guajajara sobre troca nas pastas que pode tirar mulheres do governo

O governo federal articula uma troca ministerial em busca de maior apoio no Congresso

16 ago 2023 - 12h02
(atualizado às 14h51)
Compartilhar
Exibir comentários
Ministra dos Povos Indígenas, Sônia Guajajara declarou estar desapontada com Lula
Ministra dos Povos Indígenas, Sônia Guajajara declarou estar desapontada com Lula
Foto: Reprodução Facebook / GuajajaraSonia

A ministra dos Povos Indígenas, Sonia Guajajara, afirmou que as ministras do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva são atacadas todos os dias quando tentam retirá-las das pastas que comandam para entregar o espaço para homens. O governo federal articula uma troca ministerial em busca de maior apoio no Congresso e os ministérios ocupado por mulheres são os mais cobiçados pelos novos apoiadores.

"É a primeira vez que nós temos o maior número de mulheres ministras na Esplanada dos Ministérios. E, por ser a primeira vez, nós somos atacadas todos os dias, quando querem tirar ainda de nós esse lugar e entregar para os homens. Mas, juntas, nós não vamos permitir", disse Guajajara nesta terça-feira, 15, durante a abertura da Marcha das Margaridas. A manifestação é realizada por mulheres trabalhadoras rurais do Brasil, desde 2000, em busca de direitos trabalhistas.

Ao assumir o terceiro mandato, Lula registrou uma participação feminina recorde na Esplanada dos Ministérios em relação a todo o período pós-redemocratização. Foram 11 ministras convocadas e confirmadas, duas a mais que o recorde anterior, de Dilma Rousseff, que assumiu a Presidência, em 2011, com nove ministras.

Após pouco mais de cinco meses de governo, a primeira troca ministerial a partir de negociações com o Centrão foi de uma mulher. Daniela Carneiro, então ministra do Ministério do Turismo, deixou o cargo no dia 14 de julho e, no lugar, assumiu o deputado federal Celso Sabino (União Brasil-PA).

Filiada ao União Brasil, Daniela era considerada pelo partido como uma escolha pessoal de Lula. Como a então ministra recorreu à Justiça Eleitoral para deixar a legenda, o União passou a pressionar o Planalto, por mais de um mês, para trocá-la por Sabino. Lula, contudo, queria planejar uma "saída honrosa" da agora ex-ministra.

Ministérios e estatais podem sofrer mudanças

A reforma ministerial negociada por Lula mira, sobretudo, ampliar a participação do Centrão no governo, ao nomear deputados indicados por PP e Republicanos como ministros. Para o entorno do presidente, a federação PSDB-Cidadania também deveria ser contemplada - ou ao menos convidada - a participar do Executivo e integrar a base no Congresso.

Os nomes do Centrão já foram escolhidos: são André Fufuca (PP-MA) e Silvio Costa Filho (Republicanos-PE). As pastas, entretanto, ainda são uma questão a ser resolvida pelo governo. Confira os ministérios e estatais que podem ter mudanças.

- Ministério da Saúde.

- Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome.

- Ministério dos Esportes.

- Ministério dos Direitos Humanos.

- Ministério de Portos e Aeroportos.

- Embratur.

- Funasa.

- Correios.

- Caixa Econômica Federal.

8 mulheres indígenas que são símbolo de resistência 8 mulheres indígenas que são símbolo de resistência

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade