PUBLICIDADE

Servidores da Funai fazem paralisação para cobrar segurança a indigenistas e justiça por Bruno e Dom

Atos estão previstos em várias unidades da Fundação Nacional do Índio nesta quinta; categoria quer demissão do presidente Marcelo Xavier

23 jun 2022 10h34
| atualizado às 11h10
ver comentários
Publicidade
"Junte-se a nós para exigirmos Justiça para Bruno e Dom, Fora Xavier e sua gestão anti-indígena e anti-indigenista, e uma Funai que proteja os povos indígenas!"
"Junte-se a nós para exigirmos Justiça para Bruno e Dom, Fora Xavier e sua gestão anti-indígena e anti-indigenista, e uma Funai que proteja os povos indígenas!"
Foto: Reuters

Trabalhadores da Fundação Nacional do Índio (Funai) anunciam paralisação nacional nesta quinta-feira, 23, em protesto pelas mortes do colega Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips. Eles também cobram segurança para atuar em áreas isoladas como o Vale do Javari, região onde os dois foram assassinados, e pedem a demissão do atual presidente da Funai, Marcelo Xavier.

Em Brasília, indigenistas e outros servidores organizam ato em frente à sede da fundação durante a manhã desta quinta. Eles já estão em greve na capital federal desde a última segunda-feira, 20. Outros protestos estão previstos em unidades regionais do órgão ao longo do dia. Na Avenida Paulista, em São Paulo, às 17h, está marcado um ato contra o marco temporal de terras indígenas e em apoio à greve.

Em manifesto divulgado, a categoria aponta que a gestão do delegado da Polícia Federal Marcelo Xavier, iniciada em 2019, "demonstra não possuir qualidade mínima para gerir a política indigenista". No texto, o grupo ainda afirma que as mortes de Bruno e Dom têm como pano de fundo um desmonte da Funai e apontam que "todos os órgãos públicos essenciais passam por situação semelhante" no País.

Bruno Pereira (direita) em foto de 2017, quando trabalhava pela Funai com povos indígenas isolados
Bruno Pereira (direita) em foto de 2017, quando trabalhava pela Funai com povos indígenas isolados
Foto: Werther Santana/Estadão

A paralisação foi decidida em assembleia com representantes da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (CONDSEF/FENADSEF), da Associação Nacional dos Servidores da Funai (ANSEF) e da entidade que representa os indigenistas brasileiros, a INA (Indigenistas Associados).

Homenagens a Bruno e Dom

Depois de seis dias, as perícias dos corpos de Bruno Pereira e Dom Phillips foram concluídas nesta quarta-feira. O indigenista brasileiro é velado desde o começo do dia em Recife (PE), onde deve ser cremado. Os familiares do jornalista britânico no Brasil não confirmaram ainda para onde será levado o corpo.

    Estadão
    Publicidade
    Publicidade