PUBLICIDADE

Polícia identifica suspeito de injúria racial confundido com ministro Mauro Vieira

Empresário é acusado de ter proferido injúrias contra camareira de apart-hotel no Rio de Janeiro

8 dez 2023 - 20h49
(atualizado às 22h41)
Compartilhar
Exibir comentários
Suspeito confundido com ministro foi identificado como Marcos José Pieroni dos Santos.
Suspeito confundido com ministro foi identificado como Marcos José Pieroni dos Santos.
Foto: Reprodução/Redes Sociais

A Polícia Civil do Rio de Janeiro identificou o suspeito de ter cometido injúria racial contra camareira de um apart-hotel no Leblon, zona sul do Rio de Janeiro, nesta sexta-feira, 8. O homem foi identificado como o empresário Marcos José Pieroni dos Santos. As informações são do Metrópoles.  

Mais cedo, o empresário foi confundido com o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, que prontamente negou a acusação.

Imagens das câmeras de segurança do apart-hotel foram analisadas pela polícia e comprovaram que o suspeito do crime não era o ministro, mas, sim, outro homem, que posteriormente foi identificado como Marcos José Pieroni dos Santos

Além disso, Mauro Vieira concedia entrevista para um veículo de imprensa argentino no momento do crime. 

Entenda a confusão

  • Uma camareira denunciou ter sido vítima de injúria racial em um apart-hotel localizado no Leblon, no Rio, nesta sexta-feira 8; 
  • O ministro Mauro Vieira tem um apartamento no local e teve o seu nome envolvido na confusão. No momento do crime, no entanto, ele concedia entrevista para um veículo de imprensa argentino. Imagens das câmeras de segurança também comprovaram que o suspeito era outro homem, que posteriormente foi identificado como Marcos José Pieroni dos Santos;
  • Segundo o Metrópoles, Marcos teria pedido para uma camareira do local abrir o apartamento 801 com uma chave mestra. A mulher teria negado. O empresário, então, fez o mesmo pedido a outra camareira que passava no corredor, que também se recusou a abrir o imóvel. Neste momento, ele teria ofendido a funcionária, a chamando de “preta suja”, dentre outros xingamentos;
  • A camareira relatou o incidente para a síndica, que chamou a polícia. O suspeito deixou o local, e a mulher e uma testemunha foram levadas para prestar depoimento na delegacia. Uma delas teria se referido ao suspeito do crime como "Mauro";
  • A síndica teria informado erroneamente que o dono do apartamento 801 era o chanceler Mauro Vieira, provocando a confusão. 
Ministro das Relações Exteriores, Embaixador Mauro Vieira, em coletiva à imprensa sobre a operação Voltando em Paz
Ministro das Relações Exteriores, Embaixador Mauro Vieira, em coletiva à imprensa sobre a operação Voltando em Paz
Foto: Gustavo Magalhães/MRE
Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade