PUBLICIDADE

Precisamos dar um basta nos gritos homofóbicos do futebol

Clubes e torcidas precisam ser punidos para que cantos preconceituosos deixem de ser entoados nos estádios

24 mai 2022 05h00
| atualizado em 25/5/2022 às 17h25
ver comentários
Publicidade

Há uma semana foi celebrado o Dia Internacional de Combate à LGBTQIA+fobia, e os clubes de futebol foram uníssonos nas redes sociais com mensagens recriminando o preconceito e pedindo respeito a todos. O discurso, sempre necessário, no ambiente esportivo ou na sociedade, parece não ter efeito sobre os torcedores.

Neste domingo (22), durante o clássico Corinthians x São Paulo, as arquibancadas da NeoQuímica Arena entoaram os já tradicionais cantos homofóbicos contra o clube do Morumbi. 

Torcida do Corinthians cantou "Vai pra cima delas Timão, da bicharada" em partida contra o São Paulo
Torcida do Corinthians cantou "Vai pra cima delas Timão, da bicharada" em partida contra o São Paulo
Foto: MARCO GALVãO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

Nem uma publicação antes do jogo, pedindo para que a Fiel não tivesse “atitudes como cantos, gestos ou falas racistas ou homofóbicas, que envergonhem nossa torcida” e pedidos feitos nos telões e no sistema de som do estádio durante a partida foram capazes de impedir que milhares de vozes gritando "Vai pra cima delas Timão, da bicharada" e "Vamos! Vamos, Corinthians! Que dessas bichas, teremos que ganhar". 

Os insultos foram registrados na súmula da partida pelo árbitro Wilton Pereira Sampaio, e criticados pelo presidente do Corinthians, Duílio Monteiro Alves, ao fim do jogo.O clube também emitiu uma nota oficial de repúdio.

Cantos homofóbicos entoados pela torcida do Corinthians foram registrados na súmula da partida
Cantos homofóbicos entoados pela torcida do Corinthians foram registrados na súmula da partida
Foto: Reprodução

Na teoria, todas atitudes esperadas e fundamentais, mas que na prática têm pouco ou nenhum resultado efetivo.

Se Corinthians e São Paulo jogassem novamente na próxima semana, quais são as chances de o posicionamento ter efeito e nenhuma fala homofóbica ser repetida pela torcida?

Uso aqui o exemplo do Corinthians pelo caso mais recente que ganhou repercussão, mas é algo presente em todos os estádios, em todos os clubes brasileiros. Um hábito até mesmo naturalizado, ainda que vivamos no país que mais mata pessoas LGBTQIA+ e que atos preconceituosos contra homossexuais e transexuais sejam considerados crimes, bem como o racismo. 

Em 2019 o time do Vasco entrou em campo com uma faixa reforçando que homofobia é crime
Em 2019 o time do Vasco entrou em campo com uma faixa reforçando que homofobia é crime
Foto: Carlos Gregório Jr./Vasco da Gama

Por que há receio em usar a camisa 24, ou qualquer outra coisa relacionada ao número que representa o veado no jogo do bicho? Um preconceito enrustido, mas que se soma às diversas formas de preconceito observadas no esporte, principalmente no futebol masculino.

Na última semana, aqui na coluna do Papo de Mina, escrevi sobre a declaração do jogador Jake Daniels, do Blackpool Football Club, que assumiu a homossexualidade. Entre os motivos para que essa atitude seja tão rara no futebol usei o exemplo dos gritos de “bicha” usados pelas torcidas para menosprezar o goleiro adversário, que tornam o futebol um ambiente inseguro para homossexuais. 

O questionamento usado no último texto, então, segue válido - e sem resposta: Até quando o futebol vai rejeitar a homossexualidade?

Esperamos que punições aconteçam, e que essas notícias de cantos homofóbicos sejam substituídas por mais espaço, respeito e apoio a atletas homossexuais e transexuais.

Papo de Mina
Publicidade
Publicidade