PUBLICIDADE

Homem mata namorada, faz live e é morto em confronto com a PM

Segundo a Polícia Civil, após cometer o crime, suspeito fez live em uma rede social, onde mostrava toda a sua ação e pedia perdão

20 mai 2023 - 12h09
(atualizado às 12h13)
Compartilhar
Exibir comentários
Givanildo Freitas, de 43 anos, matou namorada e fez transmissão ao vivo pouco antes da chegada da PM
Givanildo Freitas, de 43 anos, matou namorada e fez transmissão ao vivo pouco antes da chegada da PM
Foto: Reprodução/Facebook/Givanildo Freitas

Um homem, de 43 anos, matou a namorada, de 19, com uma facada no pescoço no início da madrugada desta sexta-feira, 19, em um condomínio no bairro Vila Alba, em Araçatuba (SP). Após o crime, ele fez uma transmissão ao vivo mostrando toda a ação. O suspeito acabou morto pela Polícia Militar, ao tentar pegar a arma de um dos agentes que foi atender a ocorrência. 

Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), testemunhas informaram que o homem, identificado como Givanildo Freitas, estaria agredindo e mantendo a namorada dentro do imóvel.

De acordo com a Polícia Civil, no local, os PMs tentaram negociar com ele várias vezes para que se rendesse, mas ele tentou tomar a arma de um dos policiais e foi baleado.

A jovem foi encontrada em um dos cômodos do apartamento, já sem vida, e com ferimentos de golpes de faca. Ainda de acordo com o apurado pela polícia, segundos antes da chegada da PM, o suspeito estava fazendo uma live em uma rede social, onde mostrava toda a sua ação e pedia perdão.

Também na rede social, ele deixou mensagens escritas pedindo perdão à família. Durante a transmissão ao vivo, o homem acabou gravando o momento em que os policiais militares chegaram ao imóvel e pediram mais de uma vez para que Givanildo se rendesse, o que não foi obedecido por ele. 

De acordo com a Polícia Civil, foram solicitados exames junto ao Instituto Médico Legal (IML) e ao Instituto de Criminalística (IC). A arma do policial, a faca usada pelo suspeito e um microtubo de cocaína foram apreendidos e o caso foi registrado como feminicídio, morte decorrente de intervenção policial e legítima defesa no 3° DP de Araçatuba

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade