PUBLICIDADE

'Guru espiritual' é condenado a 52 anos de prisão após abusar sexualmente de sete vítimas

Criminoso violentava sexualmente as clientes que buscavam pela cura

6 nov 2022 - 16h29
Compartilhar
Exibir comentários
Foto: Reprodução/Band

Um ‘líder espiritual’ foi condenado a 52 anos e seis meses de prisão por violência sexual mediante fraude contra sete pacientes que buscavam por cura. Andre Correa Lanzoni se apresentava como terapeuta holístico e atuava em Campinas, numa clínica própria no distrito de Souzas, e Pinhalzinho

De acordo com uma reportagem da Band, o réu dizia que era guru, além de ser a reencarnação de figuras históricas, e cobrava R $150 pela consulta. Ele também ministrava cursos, e chegava a cobrar R$ 2 mil. 

Na época das denúncias, a Polícia Civil teria ouvido 11 vítimas que o denunciaram pelos abusos. Deste número, quatro foram arquivadas. 

Algumas vítimas informaram às autoridades que chegaram a ter relações com o suspeito por um período de cinco anos. Uma delas afirmou que ele dizia que os problemas dela tinham origem em sua sexualidade. Diante do falso diagnóstico, ela sofreu diversos abusos sexuais para conseguir a cura. 

O Ministério Público apontou que Lanzoni convencia as mulheres a manter relações sexuais a pretexto de que os atos faziam parte do tratamento e eram sagrados. Por isso, ele foi condenado por crimes cometidos contra sete vítimas.

"Sua personalidade distorcida, as circunstâncias, a motivação e principalmente as consequências que o delito infligiram a elas [vítimas], que dificilmente superarão o trauma experimentado [...] Descabe falar em confissão pelo só fato do réu ter admitido ter mantido relação sexual com algumas vítimas, segundo eles, consensualmente e não nas circunstâncias descritas na denúncia, a elevei de metade, em face majorante prevista no dispositivo acima citado, analisada na fundamentação", diz a sentença.

O réu está preso preventivamente desde março, e deverá cumprir a pena em regime fechado. Lanzoni também deverá pagar R$ 150 mil a cada uma das vítimas por danos morais. O caso ainda cabe recurso. 

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade