PUBLICIDADE

Casais católicos do mesmo sexo não devem receber bênçãos em grande parte da África

Os católicos conservadores têm condenado a declaração do Vaticano de duas semanas atrás, que foi aprovada pelo papa Francisco

29 dez 2023 - 11h57
(atualizado às 12h12)
Compartilhar
Exibir comentários
O papa tem rebatido as críticas e o que ele chamou de posições ideológicas inflexíveis que impedem a Igreja de avançar
O papa tem rebatido as críticas e o que ele chamou de posições ideológicas inflexíveis que impedem a Igreja de avançar
Foto: REUTERS

O casal católico nigeriano Jane e Lucy tem pouca esperança de que sua paróquia local abençoe a união em breve, pois os padres conservadores de toda a África decidiram ignorar uma decisão histórica do Vaticano que permite bênçãos a casais do mesmo sexo.

10 anos de Papa Francisco: confira o que ele já disse sobre homossexualidade 10 anos de Papa Francisco: confira o que ele já disse sobre homossexualidade

Os católicos conservadores têm condenado a declaração do Vaticano de duas semanas atrás, que foi aprovada pelo papa Francisco, que permitirá bênçãos para casais do mesmo sexo, desde que não façam parte dos rituais ou liturgias regulares da Igreja.

O papa tem rebatido as críticas e o que ele chamou de posições ideológicas inflexíveis que impedem a Igreja de avançar.

Mas em muitos países africanos, como o mais populoso do continente, a Nigéria, até mesmo ter um relacionamento entre pessoas do mesmo sexo é proibido e muitas vezes punido com longas penas de prisão.

Não é uma surpresa que Jane, de 39 anos, que vive com sua parceira há seis anos, não ache que a declaração do Vaticano vá mudar muita coisa.

"Talvez nos próximos 20 anos (ou) nos próximos 30 anos, mas agora será difícil para eles (bispos) simplesmente aceitarem isso", disse Jane à Reuters no Estado de Benue.

Bispos católicos de Angola, Quênia, Nigéria, Malaui, São Tomé e Príncipe, Uganda e Zimbábue estão entre os clérigos que disseram que não abençoarão casais do mesmo sexo, mas argumentaram que o decreto do papa pode ser interpretado como opcional.

O padre Patrick Alumunku, da paróquia de Mbora da Igreja Católica St Louis, na capital Abuja, disse que a declaração do Vaticano foi perturbadora para muitos seguidores, mas deve ser vista como um movimento em direção à inclusão de todos os filhos de Deus.

Ele negou que esse fosse um passo incremental para eventualmente aceitar uniões entre pessoas do mesmo sexo na Igreja.

"Há leis que foram feitas por Deus e pela igreja em 2000 anos que não podem mudar", disse Alumunku.

Para a ativista e avicultora Jane, o fato de a questão estar sendo discutida abertamente é motivo suficiente para considerar a possibilidade de abordar seu padre para obter uma bênção, se sua parceira concordar.

"Acho que ele (o papa Francisco) tentou entender os sentimentos das pessoas que tendem a nascer diferentes ou das pessoas que basicamente estão se tornando os párias desta sociedade", disse ela.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade