PUBLICIDADE

"DRM é uma estratégia falida", diz presidente da EA

1 abr 2013 12h29
| atualizado às 12h33
ver comentários
Publicidade
<p>"Para aqueles que têm teorias da conspiração sobre a EA forçando o DRM na goela da Maxis, esse não é o caso", disse o presidente de marcas da EA, Frank Gibeau, sobre 'SimCity' </p>
"Para aqueles que têm teorias da conspiração sobre a EA forçando o DRM na goela da Maxis, esse não é o caso", disse o presidente de marcas da EA, Frank Gibeau, sobre 'SimCity'
Foto: Divulgação

Frank Gibeau, presidente de marcas da Electronic Arts, tentou amenizar os problemas de conexão contínua e servidores instáveis de SimCity ao falar que o DRM – sistema que trava jogos em nome dos direitos autorais – é um sistema falido e que a política de restrição não é pensada quando o jogo está sendo desenvolvido.

Falando ao site GamesIndustry International na GDC, na última semana, Gibeau comentou: “isso não é a realidade, eu estava envolvido em todas as reuniões. DRM não foi mencionado uma vez se quer. Você não faz um MMO porque está pensando no DRM – você está construindo um massive multiplayer online, não o contrário.”

Além disso, o executivo falou que o DRM não é mais uma opção para os publicadores de jogos. “DRM é uma estratégia falida, não é viável para o negócio. Então o que tentamos fazer criativamente foi construir um serviço online no universo de SimCity e foi isso que procuramos atingir. Para aqueles que têm teorias da conspiração sobre a EA forçando o DRM na goela da Maxis, esse não é o caso”, explicou.

Para Gibeau, a intenção da Maxis e EA era criar um jogo conectado e com estrutura de MMO. “Em nenhum momento alguém disse ‘precisamos fazer isso online’. Foram as pessoas criativas da equipe que pensaram que seria melhor criar uma experiência multiplayer colaborativa. Mas quando você está construindo um entretenimento, você nunca sabe o que o consumidor vai querer. Você tem que inovar, tentar novas coisas e surpreender as pessoas”, disse. 

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade