PUBLICIDADE

Crítica: A emoção domina o Ato I de Arcane, animação de LoL!

Hoje foi lançado o Ato I de Arcane, contendo os três primeiros episódios da animação inédita de League of Legends. Confira a crítica!

7 nov 2021 02h38
| atualizado em 11/11/2021 às 19h46
ver comentários
Publicidade
Arcane faz crítica social sem perder leveza artística:

Ansiosamente aguardada há anos pelos fãs de League of Legends -- e provavelmente alguns mais recentes fãs de Wild Rift e/ou outros jogos como Legends of Runeterra ou TFT --, a animação do MOBA mais famoso do mundo foi lançada hoje. Por isso, agora vocês conferem a crítica do Ato I de Arcane.

A série animada sobre League of Legends, Arcane, foi oficialmente lançada em 6 de novembro de 2021, mundialmente. Aqui no Brasil foi às 23:00 horas, tendo o seu primeiro Ato disponível na Netflix. Por enquanto, a animação contará com 3 Atos, cada um contendo 3 episódios com cerca de 40 minutos, focados na história acerca das cidades Piltover & Zaun, conhecidas como a Cidade do Progresso e o lado obscuro e abandonado da mesma, respectivamente.

Prêmios para quem assistiu à série na Twitch

Foto: Lucas Gomes

Quem assistiu ao Ato 1 de Arcane pela Twitch, mais especificamente nos canais oficiais da Riot (aqui no Brasil, por exemplo, pela Riot Games Brasil), recebeu recompensas para todos os jogos da empresa, sendo elas:

  • League of Legends: Cápsula Arcane;
  • Wild Rift: Emote ‘Uma Só Lágrima’;
  • Teamfight Tactics: Ovo de Pequena Lenda Bugigangas e Engenhocas;
  • Legends of Runeterra: Emote ‘Fascinante’;
  • VALORANT: Chaveiro de Arma Fishbones.

Em League of Legends, ao realizar missões, ainda será possível ganhar skins temáticas da animação, sendo elas para Jinx, Vi, Caitlyn e Jayce, todas com o nome “Arcane”.

Ato I de Arcane — uma delícia para os fãs

Voltando ao Arcane Ato 1, acredito que falo por todos os fãs que já viram este conjunto de episódios que é tudo muito empolgante, emocionante e vibrante. Mais de dez anos depois do lançamento do jogo, ver o universo de Runeterra, expandido anteriormente em outros jogos e, inclusive, bastante explorado em Legends of Runeterra, nas telas e ter agora a chance de conferir ainda mais sobre os personagens do jogo numa animação é algo que deixou todos os fãs assíduos bastante comovidos.

Foto: Riot/Netflix

Jinx, uma das personagens em destaque na animação, sempre foi vista com muita estima pelos jogadores, inclusive desde sua concepção, pois a campeã foi lançada em 2014 junto a um vídeo clipe muito agitado, com uma música que deixou todo mundo enjixado e muitas, MUITAS explosões! O fato da campeã ter sido baseada na famosa personagem da DC, Arlequina, também contribuiu para seu sucesso. Sem falar nos vários cosplays ao longo dos anos.

Em Arcane Ato 1 vemos um pouco sobre a infância dela com sua irmã, Vi, e como elas cresceram nas periferias de Zaun. A moça, quando a conhecemos, sempre foi exibida de forma loucamente insana, com anseios de destruição e caos. Parte disso é visto em suas origens, mostrando que ela é muito engenhosa, levando o termo literalmente dadas as suas habilidades mecânicas, que a possibilitam construir pequenos robôs e afins com lixo e outras coisas abandonadas nos distritos de Zaun.

Irmãs em desenvolvimento

Foto: Riot/Netflix

Abordar o relacionamento entre as irmãs foi o ponto alto deste primeiro Ato. Vi, por ser mais velha, sempre demonstrou um afeto e proteção muito grandes para com Jinx. Um adendo muito importante: Jinx, na verdade, se chama Powder (“Pólvora”, em inglês) e devemos nos referir a ela dessa maneira, por enquanto. Logo no início do primeiro episódio, vemos o motivo de ambas serem tão próximas e quererem tanto o bem uma da outra, algo que, com o decorrer dos episódios, fica bem explícito.

Vi, por outro lado, aparentemente não tem um progresso tão grande assim no que tange à construção da personagem. Quando concebida, em jogo, ela sempre se mostrou bastante brigona e, claro, disposta a resolver tudo na base da violência. Digo que não houve tanto desenvolvimento assim, pois a moça, desde criança, resolvia tudo na base da luta — e, novamente, logo nos primeiros segundos do primeiro episódio, você entende os motivos pelos quais ela leva isso para a vida, e também pelas cenas seguintes.

Foto: Riot/Netflix

Antes de Arcane ter sido lançado, muito se falava sobre as Crianças Perdidas de Zaun. Este grupo, liderado por Vi, é composto por várias crianças destemidas que querem mudar o cenário trágico da cidade com a ajuda de um homem chamado Vander, que, ao conferir a história, você entende os motivos de ser tão admirado. Ekko também faz sua aparição e é incluso no grupo das Crianças Perdidas. Apesar de não ser citado com esse nome específico, “Crianças Perdidas” foi como esse grupo havia sido reconhecido anteriormente.

Outras aparições marcantes e fluidez na narrativa

No decorrer da história, também vemos um pouco — literalmente um pouco — sobre a história de Caitlyn. Apesar de já existirem as histórias da moça em vários locais, aqui tudo se confirma: ela faz parte de uma nobre família de Piltover. Em dado momento, ela é vista com Jayce, que acaba sendo acusado injustamente por algo que não fez, e Heimerdinger, professor da Academia de Piltover e Conselheiro de Piltover, acaba dando uma forcinha ao jovem.

Outro campeão do jogo visto nas cenas é Viktor, que, se você já jogou LoL, sabe que é um campeão robô, completamente feito por tecnologia Hextech, uma mistura de ciência com magia. Aqui, Viktor é visto em sua forma humana e com semblantes já vistos no campeão atual, principalmente sua característica mais marcante: a ambição. O vilão da vez é um personagem completamente novo na história: Silco. Vemos um pouco sobre suas motivações.

Foto: Riot/Netflix

O desenrolar da história é bem fluido, mostrando os personagens em suas situações atuais, bem como as consequências de seus atos. Como eles se conectam — alguns deles — e,  claro, o que não pode faltar em nenhum universo compartilhado: easter eggs! Em vários momentos você se depara com easter eggs de coisas como itens e outras referências vistas em League of Legends.

Mas não fique desapontado se você não as reconhecer, a animação Arcane foi feita para todo tipo de público, ou seja, se você não jogou League of Legends, você não ficará completamente perdido na história! Claro, o regozijo de você ver, numa animação, seus personagens favoritos e saber sobre suas histórias acontece, mas se você acabou de chegar e quer conhecer tudo, esse é o seu momento!

Conclusão

As mudanças entre os momentos de tensão, emoção, ação e aventura, são muito interessantes, pois, apesar de o foco ser na relação entre Vi e Powder, bem como a forte emoção que elas carregam, a todo momento vemos ambientes que causam sensações diferentes. Críticas também podem ser vistas durante o decorrer das cenas, principalmente pelo fato de Piltover ser uma cidade evoluída, tecnologicamente, e lidar com Zaun como se fosse um lugar inferior, de pessoas menos merecedoras, o que, obviamente, traz uma reflexão sobre luta de classes e privilégios sociais. Quem acompanha a história do jogo há algum tempo já sabia disso, mas ver agora explicitamente em uma animação só traz mais certeza ao que já foi contado.

Foto: Riot/Netflix

O Ato 1 de Arcane é marcado por muitas descobertas — inclusive o nome REAL de Vi —, diversos momentos com picos de emoção e muita luta, elementos que qualquer jogador de League of Legends aguardava ao se deparar com uma animação do joguinho. Tudo o que foi visto dá margem para a exploração de muitos outros universos em Runeterra e nós mal podemos esperar pra ver o que mais a Riot tem para mostrar, não somente nos próximos Atos, mas também nas próximas temporadas! Lembrando que o Ato 2 será lançado sábado que vem, dia 13 de novembro, e o terceiro e último Ato, no sábado seguinte, dia 20 de novembro.

Fique ligado para saber mais sobre as próximas aventuras em Piltover & Zaun!

 

Fonte: Game On
Publicidade
Publicidade