0

Superliga Feminina

Jaqueline se apresenta e fica emocionada após superar drama

Orlando Bento/Minas Tênis / Reprodução
19 nov 2014
15h57
atualizado às 17h53
  • separator
  • comentários

Jaqueline pode respirar aliviada: depois de quase ficar sem time para jogar na Superliga feminina de vôlei, ela conseguiu acertar com Camponesa/Minas e se apresentou nesta quarta-feira. A contratação não foi fácil e por isso ela até chorou.

"Agradeço o carinho e por tudo que vocês têm feito por mim. Sou chorona mesmo. A estrutura é maravilhosa, e vocês, como seres humanos, viram o que eu estava passando e me ajudaram. Muito obrigada pelo carinho por mim e pela minha família", afirmou Jaqueline.

Os agradecimentos são direcionados especialmente aos patrocinadores do clube: as empresas Camponesa e Les Chemises. Eles aumentaram os valores que pagavam ao Minas especialmente para contratar Jaqueline.

<p>Jaqueline criticou regras da CBV</p>
Jaqueline criticou regras da CBV
Foto: Orlando Bento/Minas Tênis / Reprodução

A ponteira da Seleção Brasileira teve um filho no ano passado e por isso ficou sem vínculo com qualquer clube. Nesta temporada, ela recusou ofertas de clubes estrangeiros, pois não queria se afastar da família. Mas no Brasil existia uma dificuldade: os principais clubes já tinham atingido o máximo de duas atletas de alto nível (com pontuação máxima no ranking da Confederação Brasileira de Vôlei), enquanto os times menores não tinham condições financeiras para contratá-la.

"A Jaque é uma atleta que tem muita vontade de vencer e, pelo pouco contato que tive com ela, já deu para ver como ela é. Acredito que vamos ter muito sucesso nessa parceria e ganhar vai ser consequência do bom trabalho desenvolvido", explicou Luiz Gustavo Lage, presidente do Camponesa/Minas.

Jaquelina ainda aproveitou para criticar as regras que criaram esse drama na carreira dela: "espero que acabe (o ranking da CBV), porque, se eu passei por essa dificuldade, sendo jogadora da Seleção Brasileira, imagino que muitos outros jogadores estão tendo que ir embora porque não conseguem jogar no Brasil. Mas aprendi muito com isso e levo de lição que nunca estamos seguras de nada", concluiu.

Foto: Orlando Bento / Divulgação

Foto: Orlando Bento / Divulgação

Foto: Orlando Bento / Divulgação

(Crédito das fotos: Orlando Bento/Minas Tênis/Reprodução)

Fonte: Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade