6 eventos ao vivo

"O ranking não me interessa, o importante é estar em forma", diz Nadal

16 mai 2017
11h46
  • separator
  • comentários

O espanhol Rafael Nadal declarou nesta terça-feira que, no atual momento da carreira, não tem mais como principal objetivo ser o número um do ranking mundial, e sim "estar em forma a cada semana" e jogar partidas de alto nível.

Em coletiva de imprensa no Masters 1000 de Roma, Nadal disse que quer manter uma boa posição no ranking porque significa que está jogando bem, mas ressaltou que não irá "planejar um calendário de torneios" para recuperar a liderança.

"Eu me senti competitivo em todas as partidas que disputei neste ano e isto é o que me faz feliz. Mais que ser número quatro, cinco, seis ou dois. O ranking não me interessa, o importante para mim é estar em forma e me sentir bem. Quero ter um ranking alto, mas é porque isso significa que estou jogando bem. Não vou planejar um calendário de torneios para tentar ser o número 1", comentou.

O tenista espanhol também expressou que chega ao Masters 1000 de Roma com o objetivo de "dar o melhor" de si e que a quadra central do Foro Itálico o traz "lembranças inesquecíveis".

Nadal chega a Roma após ser campeão em Monte Carlo, Barcelona e Madri e se mostrou feliz por ter voltado a jogar em alto nível com continuidade.

"Estou aqui para dar o melhor de mim em um torneio que gosto muito. Tenho lembranças inesquecíveis ligadas à quadra central. Joguei muitas grandes partidas aqui ao longo da minha carreira", afirmou.

O espanhol, que estreará na quarta-feira contra o compatriota Nicolás Almagro, tentará dar continuidade a uma temporada que começou de forma muito positiva para ele.

"É importante para mim que a temporada no saibro tenha começado tão bem. É um momento importante do ano. Disputei torneios emocionantes, nos quais tive grandes conquistas. Quero aproveitar", analisou.

Na coletiva de imprensa, Nadal abordou também a notícia da ausência do suíço Roger Federer na próxima edição de Roland Garros, que começará no dia 22 de maio.

"Cada um faz o que pensa que é melhor. Se não jogou nenhum torneio antes de Roland Garros, é normal que ao final não participe, não? Talvez seja uma decisão que já tomou anteriormente e que não queria que se soubesse. Mas, pensando de maneira lógica, seria estranho não jogar nenhuma partida no saibro e depois participar do maior torneio", afirmou.

EFE   

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade