0

Oswaldo pede punição rigorosa por racismo; Grêmio se defende

28 ago 2014
22h59
atualizado em 29/8/2014 às 06h27
  • separator
  • comentários

O técnico do Santos, Oswaldo de Oliveira, pediu por punição para os insultos racistas direcionados ao goleiro Aranha na vitória por 2 a 0 do Santos contra o Grêmio, nesta quarta-feira, na Arena Grêmio, pelo jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil. Oswaldo citou o assunto como "badalado" no País e pediu por rigor das autoridades para o novo caso envolvendo o camisa 1 santista.

Goleiro Aranha foi vítima de xingamentos racistas proferidos por um grupo de torcedores do Grêmio
Goleiro Aranha foi vítima de xingamentos racistas proferidos por um grupo de torcedores do Grêmio
Foto: Ricardo Rímoli / Agência Lance

"A questão do racismo poderíamos parar de falar e as autoridades punirem. Enquanto badalarmos issom a punição não acontecerá e a proporção aumentará. É similar a violencia nos estádios. Quanto mais se fala, menos se pune. E a impunidade tem tomado conta, os atos são multiplicados a cada rodada do Brasileiro e da Copa do Brasil", disse o treinador.

"Insisto em dizer que poderíamos evitar falar e exigir a punição para que as autoridades, realmente, punissem. Vivemos em um país em que a classe política e os torcedores de futebol são abonados de qualquer punição. Precisa de mais rigor mesmo, tanto a violência, quanto a manifestação racista", completou.

Aranha foi insultado no final da partida por torcedores na Arena, em Porto Alegre. Câmeras do canal ESPN flagaram uma torcedora claramente chamando Aranha de macaco e o resto do grupo fazendo sons que lembravam o animal.

Na saída de campo, Aranha demonstrou revolta com a atitude dos torcedores e lembram que o próprio Grêmio já fez campanha contra o racismo no futebol brasileiro. "A outra vez que viemos aqui jogar a Copa do Brasil tinha campanha contra racismo, não é à toa. Xingar, pegar no pé é normal. Agora me chamaram de 'preto fedido, seu preto, cambada de preto'. Estava me segurando. Quando começou o corinho com sons de macaco eu até pedi para o câmera filmar, eu fiquei p... .Quem joga aqui sabe, sermpre tem racista no meio deles. Está dado o recado, agora é ficar esperto para a próxima", desabafou o goleiro. "Está o recado para ficarem espertos para a próxima partida. Tem leis, mas no futebol sabemos que o torcedor usa de várias maneiras para desestabilizar. Não vou deixar de jogar o meu futebol por manifestação de torcedor. Dói, mas tenho que jogar", completou.

Oswaldo ainda citou o caso envolvendo o volante Arouca, vitimado com os insultos raciais após a vitória por 5 a 2 do Santos diante do Mogi Mirim, pela 12ª rodada do Campeonato Paulista.

"Santos e Aranha podem, sim, tomar uma atitude. Mas a recorrência é que é o fator mais abominável. O Arouca sofreu uma situação assim no Paulista, não tenho notícia de ter acontecido nada. Claro que não podemos deixar isso dormir porque ganha proporções, mas não pode ser um estímulo. O cara que vê que vai passar impune se sente motivado e motiva o vizinho dele a faer a mesma coisa", explicou o treinador.

O Santos ainda estudará a medida cabível para o caso envolvendo o goleiro: "essa pessoa vai ter que responder sobre essa atitude racista. Ele (Aranha) tem total apoio nosso, assim que terminar o exame antidoping estará conosco. O Santos é contra essa atitude, mas não sabemos a medida, se vai ser algo jurídico. Não temos nada contra o Grêmio, mas essa torcedora precisará responder", argumentou Zinho, gerente de futebol santista.

 

Grêmio se defende
O Grêmio já se pronunciou a respeito do ocorrido. Por meio de sua assessoria, o clube explicou que o sistema de monitoramento da Arena Grêmio "tem todas as condições de buscar a identificação dessa pessoa" para que o clube não seja "tachado como racista".

Fonte: K.R.C.DE MELO & CIA. LTDA – ME K.R.C.DE MELO & CIA. LTDA – ME
  • separator
  • comentários
publicidade