0

Justiça ordena penhora da renda de bilheteria de Luverdense x Santos

Dívida com jogador que passou pelo clube em 2014 é o motivo de o Tribunal Regional do Trabalho determinar o bloqueio dos valores arrecadados no duelo desta quinta-feira

17 mai 2018
18h56
  • separator
  • comentários

A missão desta quinta-feira para o Luverdense já seria complicada por ter de reverter a goleada por 5 a 1, sofrida para o Santos, na partida de ida das oitavas de final da Copa do Brasil. O resultado na Vila Belmiro exige que o time mato-grossense vença por uma diferença de quatro gols para levar a partida, pelo menos, para os pênaltis. Mas esse é só mais um dos problemas do clube, uma vez que, por ordem judicial, a bilheteria do duelo foi penhorada para garantir o pagamento de uma dívida trabalhista.

No jogo de ida do confronto, o Santos goleou o Luverdense por 5 a 1, na Vila Belmiro (Foto: Ale Vianna/Eleven)
No jogo de ida do confronto, o Santos goleou o Luverdense por 5 a 1, na Vila Belmiro (Foto: Ale Vianna/Eleven)
Foto: Lance!

O Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região, por meio do juiz Juliano Pedro Girardello, acolheu o requerimento do atleta Valério Gomes dos Santos, conhecido como Léo, que cobra valores referentes às obrigações que não recebeu do Luverdense durante sua passagem pelo clube.

- Ele jogou de abril de 2014 a dezembro de 2014 no Luverdense. Entramos com ação por dívida com o clube. Houve acordo em 2015 para que eles pagassem R$ 165 mil ao Valério em 16 vezes. Atrasaram todas, mas pagaram 12. Depois, não pagaram mais. Em março de 2017, fizemos novo acordo e eles nunca pagaram. Pedimos bloqueio das contas, mandamos ofício à CBF. E hoje foi determinado o bloqueio. Existem mais jogadores com dívidas - declarou ao LANCE! o advogado Filipe Souza.

O bloqueio da bilheteria no Estádio Passo das Emas, em Lucas do Rio Verde, terá um limite de R$ 303.369,43, se esse valor for ultrapassado, o restante ficará com o clube.

Segundo o presidente do Luverdense, Helmute Lawisch, o acordo com o jogador foi feito nesta semana. No entanto, no despacho do Juiz do Trabalho, consta estar pendente a homologação do acerto entre as partes, já que não foi identificada a transferência de qualquer valor.

- Não sei, estou cuidando do jogo. Se acontecer, não será a primeira vez num clube de futebol. Fizemos um acordo na quarta-feira, está tudo certo. Não estou sabendo de nada diferente disso - afirmou ao LANCE! o mandatário.

A ordem foi expedida nesta quinta-feira e terá de ser executada na tesouraria do clube ou por meio de seu responsável financeiro, por um oficial de justiça, que poderá solicitar reforço policial, caso não seja cumprida.

Lance!

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade