2 eventos ao vivo
Logo do Vasco
Foto: terra

Vasco

Entenda quais os desafios do Vasco na fase de grupos da Libertadores

Cruz-Maltino volta a jogar a competição após cinco anos sem disputá-la e 20 anos depois do título conquistado em 1998

13 mar 2018
10h21
atualizado às 10h21
  • separator
  • comentários

Ninguém em São Januário esconde que a Libertadores é o grande desejo do Vasco para 2018. 20 anos depois da conquista, em 98, o clube volta a competição sonhando com uma campanha histórica e, quem sabe, um novo título. Nesta terça-feira, o Cruz-Maltino estreia diante da Universidad (CHI), às 21h30, em São Januário. No grupo da morte, o Vasco ainda terá pela frente Racing (ARG) e Cruzeiro. Veja o que espera o Vasco nessa caminhada.

Vasco campeão da Libertadores em 1998 (Foto: Arquivo LANCE!)
Vasco campeão da Libertadores em 1998 (Foto: Arquivo LANCE!)
Foto: Arquivo LANCE! / LANCE!

O QUE ESPERAR?

O Vasco entra nesta fase de grupos da Libertadores com um elenco modesto, confiando na mescla juventude e experiência. Os principais nomes do grupo são o goleiro Martin Silva e o jovem atacante Paulinho. Com um time de "operários", o técnico Zé Ricardo tem o grupo na mão.

E é no comandante que a torcida deposita boa parte da confiança em uma boa campanha do Vasco. Desde que Zé Ricardo assumiu, a equipe passou a ter boa organização de jogo e conseguiu bons resultados.

Mesmo com diversas mudanças na equipe titular e a troca de diretoria, a equipe fez bons jogos na pré-Libertadores, até perder por 4 a 0 para o Jorge Wilstermann, na Bolívia.

PARA SE PREOCUPAR

O grupo do Vasco é considerado o da morte. O Cruz-Maltino terá pela frente três adversários tradicionais e muito fortes: Cruzeiro, Universidad (CHI) e Racing (ARG). Dentro de campo, a bola aérea defensiva vem preocupando torcedores e comissão técnica.

Outro aspecto que incomoda é a falta de experiência de muitos jogadores do elenco, que estão atuando na competição pela primeira vez. Além disso, as muitas trocas fazem com que Zé ainda venha buscando a melhor formação ideal.

A ESCALAÇÃO

Zé Ricardo já fez alguns testes nesta temporada e ainda não tem uma formação definida. A mais utilizada foi a 4-2-3-1, com Andrés Rios mais adiantado, sendo alimentado por Evander, Paulinho e Wagner.

Nos últimos jogos, chegou a testar uma formação com três zagueiros, liberando os laterais Yago Pikachu e Henrique, além de ganhar força defensiva.TABELA DE JOGOS

13/3 - Vasco x La U - São Januário
4/4 - Cruzeiro x Vasco - Mineirão
19/4 - Racing x Vasco - Presidente Perón
26/4 - Vasco x Racing - São Januário
2/5 - Vasco x Cruzeiro - São Januário
22/5 - La U x Vasco - Estádio Nacional (Santiago)

OS RIVAIS
RACING (ARG)
C
ampeão da Libertadores em 1967, o Racing faz uma campanha regular no Campeonato Argentino. O time de Avellaneda ocupa a quinta posição, com 28 pontos. A diretoria foi ao mercado e reforçou bastante o seu elenco para a Libertadores. Chegaram os zagueiros Donatti (ex-Flamengo) e Sigali, o volante Domíngues, campeão da Sul-Americana pelo Independente, e os meias Neri Cardozo e Centurión (ex-São Paulo).

Porém, o jogador mais bem falado e destacado pela torcida e imprensa é o jovem Lautaro Martinez. A joia estreou em 2015, aos 17 anos, e já tem 16 gols em 37 jogos. As atuações chamaram atenção do técnico da seleção, Jorge Sampaoli, que foi ao estádio El Cilindro observar o jogador.

O time do técnico Diego Cocca joga ofensivamente, tentando aproveitar o talento dos meias e a velocidade dos laterias nas subidas do ataque. A bola parada também é um dos trunfos do time argentino.

Número de participações na Libertadores: 9
Títulos: 1
Finais: 5
Estádio/capacidade: Estádio Presidente Perón (51.389 torcedores)
Cidade-sede: Buenos Aires
Altitude: Não
Distância e tempo de voo partindo do Rio de Janeiro: 2.640km / 3 horas (aproximadamente)

CRUZEIRO
"O Cruzeiro fez um investimento muito elevado para a temporada, contratando jogadores como Fred, Edilson, Mancuello, Bruno Silva e David.

A equipe está correspondendo em campo e vencendo os jogos no Campeonato Mineiro. Em seu principal teste até aqui, no entanto, falhou ao perder para o Racing fora de casa na estreia da Libertadores.

A expectativa da diretoria é muito grande em relação à Libertadores, sobretudo pelo investimento bastante elevado."
Thiago Fernandes
Setorista do Cruzeiro pelo UOL

Número de participações na Libertadores: 16
Títulos: 2
Finais: 2
Estádio/capacidade: Mineirão / 62.000 pessoas
Cidade-sede: Minas Gerais
Altitude: Não
Distância e tempo de voo partindo do Rio de Janeiro: 440,2 km / 40 minutos (aproximadamente)

UNIVERSIDAD (CHI)
Apesar de ter 21 participações na Libertadores, o time chileno nunca venceu a competição. A equipe do técnico Ángel Guillermo Hoyos faz uma ótima campanha no Campeonato Chileno. São três vitórias e uma derrota em quatro jogos, ocupando a vice-colocação.

A La U conta com jogadores experientes e de seleção, como o lateral Beaseujour, líder de assistências do time, com três passes para gol; o volante Gonzalo Jara e o meia David Pizarro, jogador com vasta experiência europeia, que jogou em clubes como Manchester City, Internazionale e Roma.

No comando de ataque, destaque para Pinilla, artilheiro do time na temporada com três gols. Apesar de um ataque veloz, a defesa da La U foi um dos pontos negativos do time chileno na temporada passada.

Número de participações na Libertadores: 21
Títulos: 0
Finais: 0
Estádio/capacidade: Nacional de Chile / 55.100 pessoas
Cidade-sede: Minas Gerais
Altitude: Não
Distância e tempo de voo partindo do Rio de Janeiro: 3.705,4 km / 3h e 54 minutos (aproximadamente)

LANCE!

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade