1 evento ao vivo
Logo do Jogos Pan-Americanos
Foto: terra

Jogos Pan-Americanos

Caretas, gritos e dor: um dia no halterofilismo do Pan

Competição é realizada em pacata cidadezinha afastada do centro de Toronto

14 jul 2015
08h59
  • separator
  • 0
  • comentários

Perto dos arranha-céus e da vida metropolitana de Toronto, Oshawa ganha ares de uma cidadezinha do interior, mesmo estando apenas a 45 minutos de carro da cidade mais populosa do Canadá. Suas casas com gramados simétricos, jardins floridos e o espírito do subúrbio da América do Norte tiveram sua rotina alterada com os Jogos Pan-Americanos, já que é em Oshawa onde são realizadas as provas do halterofilismo.

Halterofilismo reúne atletas no Oshawa Sports Centre, a 66km de Toronto
Halterofilismo reúne atletas no Oshawa Sports Centre, a 66km de Toronto
Foto: Osmar Portilho / Terra

Ainda que timidamente, o público começou a encher as cadeiras do Oshawa Sports Centre na tarde dessa segunda-feira para ver as competições nas categorias masculino (77kg e 85kg) e feminino (63kg). Durante o período das provas, o pacato silêncio da esquina da rua Mary com a King foi quebrado por gritos ora de dor, ora de estímulo.

Quando tratamos de esportes olímpicos, naturalmente falamos em atletas que levam seus corpos ao extremo, mas o halterofilismo se prova um exemplo quase palpável e aflitivo aos espectadores. A forma mais crua de provar suas excelência e determinação em uma habilidade a ponto de levar seu corpo a possíveis fraturas de danos irreversíveis.

A preparação começa ainda na zona de aquecimento dos atletas. Atrás de uma cortina preta, eles se dividem em estações e levantam pesos menores aos que querem bater. Boa parte do papel dos treinadores na hora do estímulo começa ali mesmo. Tapas nas costas, sacodes, falas emocionadas olhando nos olhos são alguns dos “preferidos”.

Halterofilismo reúne atletas no Oshawa Sports Centre, a 66km de Toronto
Halterofilismo reúne atletas no Oshawa Sports Centre, a 66km de Toronto
Foto: Osmar Portilho / Terra

Os atletas sobem e encaram os halteres que levantarão, sempre muito mais pesados que eles próprios. Há quem grite e dê berros, como se estivesse convocando a si mesmo para tal provação. Caso da chilena Rojas Valverde, que ficou em quarto lugar na sua categoria.

Há também o tipo concentrado: olhar fixo no horizonte e um semblante sereno que se sustenta no rosto mesmo quando suas veias na testa e pescoço parecem inflar a ponto de explodir. Caso do cubano Adriel La O, não por acaso, medalha de ouro em sua categoria nessa segunda.

Halterofilismo reúne atletas no Oshawa Sports Centre, a 66km de Toronto
Halterofilismo reúne atletas no Oshawa Sports Centre, a 66km de Toronto
Foto: Osmar Portilho / Terra

Atletas também buscam estímulo no público, como Travis Cooper, quarto lugar, que sempre tentou encontrar força nos torcedores americanos, embora estes estivessem praticamente ausentes da arena.

Soa quase como pejorativo chamar de “careta” uma expressão tão intensa, seja por força ou dor de um atleta levantando praticamente o dobro do seu peso acima de sua cabeça. O primeiro caso, por força, fica por conta do canadense Jêrome Boisclair e suas caretas intensas. Embora o atleta da casa tenha sido um dos favoritos dos fotógrafos por suas faces, seu desempenho não foi nada satisfatório: nona posição.

Halterofilismo reúne atletas no Oshawa Sports Centre, a 66km de Toronto
Halterofilismo reúne atletas no Oshawa Sports Centre, a 66km de Toronto
Foto: Osmar Portilho / Terra

As contusões do halterofilismo acabam sendo rotineiras. Lidar com pesos extremos, levar seu corpo ao limite e tentar ultrapassar barreiras inéditas pode levar a desfechos infelizes. O atleta de Barbados Brien Best foi o primeiro a participar da prova, mas acabou por ceder ao peso de 115kg. Vencido pelos enormes anilhas, Best desabou duas vezes. Em ambas chegou a aparentar estar desacordado, como se chegasse próximo de um ponto insuportável demais para seu corpo lidar.

O choro ao deixar o palco amparado por sua equipe e médicos é abafado pelos aplausos do cordial público canadense, mas já é tarde. Dois minutos depois dali, alguém virá, gritará e levantará aquele peso deixado por ele. 

 

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade