PUBLICIDADE

Jogos de Paris

Rússia perde recurso contra COI por reconhecer organizações de territórios anexados da Ucrânia

23 fev 2024 - 08h40
Compartilhar
Exibir comentários

A Corte Arbitral do Esporte (CAS) disse nesta sexta-feira que rejeitou um recurso da Rússia contra uma suspensão do Comitê Olímpico Internacional (COI) por reconhecer organizações regionais de territórios anexados da Ucrânia.

O COI baniu o Comitê Olímpico Russo (ROC) em outubro por reconhecer os conselhos olímpicos regionais das regiões da Ucrânia ocupadas pela Rússia - Luhansk, Donetsk, Kherson e Zaporizhzhia.

A suspensão garante que o ROC não será elegível para financiamento e não será associado ao movimento olímpico, mas não afeta nenhuma decisão sobre a participação de atletas russos nos Jogos Olímpicos de Paris 2024.

Na época, o COI disse que a medida constituía uma violação da Carta Olímpica porque viola a integridade territorial do comitê olímpico nacional da Ucrânia.

A Rússia, que lançou uma invasão em grande escala da Ucrânia em fevereiro de 2022, a qual Moscou chama de "operação especial", denunciou a medida como politicamente motivada.

Em sua apelação na CAS, com sede em Lausanne, o ROC pediu que a suspensão fosse revogada e que fosse reconhecido como um comitê nacional de pleno direito, com todas as prerrogativas que o status implica.

"O painel da CAS responsável por esse assunto rejeitou o recurso e confirmou a decisão contestada, concluindo que o EB (Conselho Executivo) do COI não violou os princípios de legalidade, igualdade, previsibilidade ou proporcionalidade", disse a CAS em um comunicado.

A Reuters entrou em contato com o ROC para comentar.

Inicialmente, os atletas russos e bielorrussos foram proibidos de competir internacionalmente após a invasão da Ucrânia pela Rússia, para a qual Belarus foi usada como ponto de partida.

No entanto, no ano passado, o COI emitiu um conjunto inicial de recomendações para que os órgãos internacionais de administração de esportes permitissem o retorno de russos e bielorrussos, competindo como atletas individuais, sem bandeira, emblema ou hino.

O COI afirma que os atletas não devem ser punidos pelas ações dos governos.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade