PUBLICIDADE

Clubes comemoram MP do Futebol, mas exigem mais mudanças

14 jul 2015
18h23 atualizado às 20h02
0comentários
18h23 atualizado às 20h02
Publicidade

Reunidos na sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) durante a tarde desta terça-feira, clubes da Série A do Campeonato Brasileiro elogiaram a aprovação da MP do Futebol pelo Senado na última segunda. Dirigentes reconheceram avanços à modernização do futebol do País, mas deixaram claro que existe ainda a necessidade de muitas outras mudanças. "Tem que haver a democratização das federações. Isso foi retirado do texto", comentou o presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello.

Eduardo Bandeira de Mello, do Flamengo, pediu democratização nas federações estaduais
Eduardo Bandeira de Mello, do Flamengo, pediu democratização nas federações estaduais
Foto: Alê Silva / Futura Press

Ele, no entanto, ressaltou que o parcelamento das dividas com a União em até 240 vezes é um ponto positivo. Daniel Nepomuceno, presidente do Atlético-MG, também destacou o fair play financeiro como um avanço - a MP exige que os clubes estejam em dia com as obrigações, caso contrário não poderão disputar competições oficiais. Porém, o mineiro fez uma análise sobre outros problemas correntes no futebol brasileiro.

"A questão do calendário, da janela de transferências, a importância de se fomentar o programa de sócio-torcedor, ingressos a preços mais justos. Há muita coisa para se discutir, para se avançar. A MP foi só o primeiro passo", declarou Nepomuceno.

Ele defendeu também o reconhecimento aos clubes formadores de atletas, com assistência educacional, médica, etc. "Quem forma, quem investe e faz um trabalho social e esportivo forte, esses clubes precisam ser recompensados".

Para Peter Siemsen, do Fluminense, todos os dirigentes deveriam ser remunerados
Para Peter Siemsen, do Fluminense, todos os dirigentes deveriam ser remunerados
Foto: Bruno Haddad/Fluminense / Divulgação

"Há muita coisa a ser feita, sem dúvida", opinou o presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, que falou sobre o sistema de disputa dos campeonatos nacionais. "O modelo com pontos corridos é mais justo. O de mata-mata é mais rentável. Se vai ou não haver mudança nesse ponto, isso depende de muita discussão".

Outro que fez coro para novas mudanças foi o presidente do Fluminense, Peter Siemsen. Ele elogiou a MP por "aprovar as regras de boa gestão", mas acrescentou que o ideal seria o "modelo de gestão" tambem sofrer alterações. "O que está em vigor é ultrapassado. Os dirigentes têm de ser remunerados. As regras devem mudar rapidamente para que se possa viabilizar o clube-empresa. O caminho é longo".

Bandeira de Mello compara MP com 7 a 1: "demos o segundo gol":
Fonte: Silvio Alves Barsetti
Publicidade
Publicidade