PUBLICIDADE
URGENTE
Saiba como doar qualquer valor para o PIX oficial do Rio Grande do Sul

Justiça julgará reforma de sentença do jogador Marcinho, condenado por homicídio culposo

Márcio Almeida de Oliveira, o Marcinho, foi condenado após atropelar um casal de professores na zona oeste do Rio, em dezembro de 2020

22 abr 2024 - 20h11
(atualizado às 22h04)
Compartilhar
Exibir comentários
Resumo
A Justiça do Rio de Janeiro irá julgar um recurso da defesa do jogador Márcio Almeida de Oliveira, condenado pela morte de um casal de professores por atropelamento no Rio.
Marcinho
Marcinho
Foto: Mourão Panda / América

A Justiça do Rio de Janeiro vai julgar um recurso apresentado pela defesa do jogador Márcio Almeida de Oliveira, o Marcinho, condenado a 3 anos e 6 meses de prisão, em regime aberto, pela morte de um casal de professores, atropelados pelo futebolista em dezembro de 2020. 

O pedido da defesa de Marcinho requer a reforma da sentença, determinada em 18 de abril de 2023, para que ele seja absolvido. A apelação vai a julgamento no dia 30 de abril na 2ª Câmara Criminal do Rio, após os defensores pedirem que o requerimento fosse apreciado presencialmente.  

À época do crime, ocorrido em 30 de dezembro de 2020, a polícia registrou que Marcinho atropelou os professores Maria Cristina José Soares e Alexandre Silva de Lima na Avenida Lúcio Costa, na zona oeste do Rio. Alexandre morreu no local, e Maria Cristina chegou a ser socorrida, mas não resistiu. Marcinho também não prestou socorro e fugiu do local do acidente.

Segundo a denúncia, minutos antes do atropelamento, Marcinho guiava o seu veículo em zigue-zague, na pista sentido Barra da Tijuca, numa velocidade entre 86km e 110km/h. A velocidade máxima permitida na via é de 70 km/h. Peritos também atestaram a ingestão de álcool no atleta.

A condenação determinada pelo juiz Rudi Baldi Loewenkron, da 34ª Vara Criminal, considerou o crime como culposo e inferior à pena de quatro anos e suspensão do direito de dirigir pelo mesmo período. A pena privativa de liberdade foi substituída por penas restritivas e prestação de serviços sociais. 

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade