PUBLICIDADE

Lothar Matthaüs diz esperar que 'Alemanha tenha aprendido com erros' para Copa do Qatar

Campeão mundial em 1990 e embaixador da edição2022, ex-jogador recordista de partidas de Copa vê seleção alemã favorita e capaz de 'enfrentar Brasil, Argentina e França'

4 jul 2022 - 19h37
Ver comentários

Recordista de partidas na Copa do Mundo, tendo atuado em 25 jogos entre cinco edições diferentes do torneio, o alemão Lothar Matthäus é hoje embaixador oficial da edição 2022, que terá lugar no Qatar.

Matthaüs festeja o título de 1990, conquistado na Itália (Foto: Divulgação/Fifa)
Matthaüs festeja o título de 1990, conquistado na Itália (Foto: Divulgação/Fifa)
Foto: Lance!

GALERIA

Aos 61 anos, o campeão da Copa do Mundo de 1990 como capitão agora aguarda ansiosamente a próxima edição do maior torneio de futebol do planeta.

Em entrevista concedida como embaixador oficial da Copa do Mundo, Matthäus falou sobre sua paixão pelo Mundial e pelo futebol, relembrou as sensações de levantar o troféu como campeão, falou sobre os diferentes times que a Alemanha teve ao longo dos anos, fez sua projeção para 2022 e revelou: a equipe de 1990, campeã na Itália, não era composta por "23 amigos".

Quando você pensa na Copa do Mundo, o que vem à mente?

Emoção, paixão, futebol e conexão. É o ponto alto do nosso esporte. O melhor é vivenciá-lo - e eu vivi isso como jogador, torcedor e jornalista. A primeira Copa do Mundo de que me lembro é de 1966 - e ainda me dá arrepios. Quando olho para trás, lembro-me de grandes jogos, grandes personagens e grandes resultados. Uma Copa do Mundo tem tudo o que você pode imaginar.

Descreva a sensação de levantar a Copa do Mundo como capitão da Alemanha Ocidental na Itália 1990.

É um momento que jamais esquecerei. Não foi apenas o sucesso, mas também a união e a forma como trabalhamos em equipe. Foi também como os torcedores nos apoiaram e a atmosfera que vivemos nos estádios e no país. Tudo estava parado e a única coisa que importava era o futebol. Também foi algo muito especial para alcançar em um país do futebol como a Itália, porque eu também jogava pela Inter de Milão na época. Receber o troféu de capitão é algo que nunca esquecerei.

Qual é o tamanho desse momento na sua carreira?

A Copa do Mundo é algo especial porque as melhores equipes e jogadores disputam o título. É um título que supera todos os outros sucessos porque você tem que trabalhar muito para isso. Primeiro para se classificar, depois para jogar bem uma Copa do Mundo, depois para vencer com seu time e receber o troféu de capitão. Não há nada maior que você possa alcançar no futebol.

Você apareceu em cinco torneios consecutivos da Copa do Mundo. Quão especial foi para você jogar em todos os eventos de 1982 a 1998?

Cada Copa do Mundo era diferente. Na minha primeira Copa do Mundo, em 1982, eu era jovem e só joguei duas partidas. Na minha segunda Copa do Mundo em 1986, eu já era um jogador habitual na seleção. Então, em 1990, o destaque foi a conquista do título. Éramos uma equipe bem preparada, não éramos 23 amigos, mas nos respeitávamos, aceitávamos e nos apoiávamos. Esse foi o ponto alto. As Copas do Mundo de 1994 e 1998 não foram tão bem-sucedidas porque, como equipe, não funcionamos tão bem quanto em 1990.

O Qatar 2022 será o torneio mais compacto da história moderna, com todos os locais a uma hora de carro de Doha. Como isso beneficiará os jogadores?

Com menos viagens, os jogadores podem se concentrar totalmente no futebol. Isso pode ajudar a obter esse 1% extra ou mais dos jogadores. Será uma experiência diferente para muitos jogadores, embora hoje em dia estejam sempre tão bem preparados e cuidados.

O Qatar 2022 será a primeira Copa do Mundo no Oriente Médio e no mundo árabe. Qual a importância de levar a Copa do Mundo para novas regiões?

Isso é muito importante. Estive na Copa do Mundo de 2010 na África do Sul, que foi a primeira Copa do Mundo no continente africano. Também tivemos uma Copa do Mundo no Japão e na Coréia do Sul em 2002. Acho que todo continente tem o direito de sediar uma Copa do Mundo em algum momento. Sei que há muito entusiasmo pelo futebol no Qatar e as pessoas estão ansiosas por esta Copa do Mundo. Tenho certeza de que será uma grande celebração do futebol no Qatar no final deste ano.

A Alemanha foi uma das primeiras equipes a se classificar para Qatar 2022. Como você acha que se apresentarão no torneio?

A Alemanha está sempre entre as favoritas. No entanto, nos últimos dois grandes torneios, não tivemos um bom desempenho. Espero que tenhamos aprendido com esses maus resultados. Acredito que temos um time capaz de jogar bem contra grandes nações como Brasil, Argentina, Inglaterra e França. Temos um enorme potencial, um bom espírito de equipe e uma boa mistura de jogadores experientes e jovens. Acho que o time também percebeu que tem que atuar como uma unidade novamente - o que é algo que sempre torna muito difícil jogar contra a Alemanha.

Quais jogadores você acha que serão destaques durante esta Copa do Mundo?

Todos os jogadores se beneficiam do sucesso do time, e é por isso que é muito importante que o time funcione - como aconteceu com a Alemanha em 1990. Vimos isso com Diego Maradona em 1986, talvez eu em 1990 e Ronaldo do Brasil em 2002. Você sempre ter uma conexão com um jogador especial para cada Copa do Mundo. Em 2018, na Rússia, talvez tenha sido Kylian Mbappé, que se sagrou campeão mundial com a França, ou Luka Modrić, que chegou à final com a Croácia.

TABELA

> Confira os jogos e simule resultados da Copa do Mundo do Qatar

Lance!
Publicidade
Publicidade