4 eventos ao vivo

Quatro principais clubes do futebol paulista acumulam mais de R$ 2 bilhões em dívidas

Endividamento do quarteto aumenta 182% na última década e pressiona a mudança de gestão nas equipes

5 mai 2020
19h11
atualizado às 19h11
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo são grandes atuamente não só na tradição, como também até no volume de dívidas. Um estudo da empresa Ernst & Young obtido pelo Estado mostra o quanto os quatro principais clubes do futebol paulista estão com débitos gigantes. Juntos, os quatros têm pendências no valor de R$ 2,2 bilhões, um montante que é 182% do que o registrado em 2010.

A análise financeira leva em conta os balanços oficiais divulgados pelas equipes anualmente. O mais recente deles foi publicado dias atrás, com as informações sobre 2019. O nível de dívidas dos clubes chegou a um patamar considerado pelos autores do estudo como preocupante. Até porque este ano, com o grande impacto do novo coronavírus nas receitas dos clubes, é improvável que os números das finanças melhorem.

"Todos os números são de uma época antes da covid-19. A pandemia só aprofundou essa situação complicada", disse o diretor executivo da Ernst & Young, Pedro Daniel. Dos quatro times do futebol paulista, quem tem a situação mais delicada é o Corinthians. Na última década, o clube aumentou o endividamento em 425%. O São Paulo também não fica tão atrás: os débitos aumentaram 309% no mesmo período. Palmeiras e Santos tiveram problemas um pouco menores. O endividamento aumentou, respectivamente, 101% e 66%.

O aumento crescente de gastos dos clubes e o descompasso com os faturamentos explicam tais resultados tão ruins. "A gente faz 'voos de galinha'. As equipes algumas vezes têm boas gestões por alguns anos e depois voltam ao seu patamar. O clube fica dependente da sorte de ter algumas temporadas positivas, com títulos e premiações, mas sem projeto sólidos", explicou Daniel.

A falta de diversificação de receitas foi um dos grandes problemas do futebol paulista nesta última década. O estudo mostra que os quatro times são muito dependentes de contratos de direitos de transmissão e da venda de jogadores. Quando esses segmentos vão mal, as contas não fecham. Quem se apresenta como exceção nesse cenário é o Palmeiras, por contar com mais faturamentos vindos do estádio e do faturamento em dias de jogos.

Uma das equipes mais dependentes da negociação de jogadores é o São Paulo. Se o clube do Morumbi não consegue vender as revelações do CT de Cotia, fecha no vermelho. A transferência de atletas foi a principal fonte de receita em três dos últimos cinco anos. Em 2019, a diretoria lucrou 30% a menos com vendas do que no ano anterior. Como resultado isso, a equipe registrou déficit de R$ 156 milhões.

CHANCE DE MUDANÇA

A revelação de dados tão negativos, assim como a preocupação com os impactos da pandemia, pelo menos tem como um alento duas oportunidades. A discussões sobre a aplicação do fair-play financeiro e a possibilidade de transformar os clubes em empresas podem fazer as gestões das equipes serem mais responsáveis.

"A gente tem um bom motivo para acelerar as mudanças que deveriam ter sido feitas no passado. O coronavírus não é o motivo dos clubes estarem mal financeiramente. Na verdade, eles já estavam em situação crítica e dependiam basicamente da receita da venda de jogadores", explicou o gerente sênior da Ernst & Young, Gustavo Hazan.

O fair-play financeiro e o clube empresa, se forem aplicados, podem mudar radicalmente a administração dos clubes. Se os times de futebol fosse empresas tradicionais, já teriam fechado as portas devido a tantos prejuízos e dívidas. "Estamos em um momento proício para essas discussões", comentou Pedro Daniel.

Veja também:

Veja os brasileiros com mais gols na elite europeia nesta temporada
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade