PUBLICIDADE

Argelinos tomam conta de Paris e festejam mais que franceses

Comunidade argelina em Paris comemora classificação para as oitavas com festa na Champs-Elysées. Jogo foi seguido por milhares de torcedores em tradicional bairro da capital

26 jun 2014 21h43
| atualizado às 21h55
ver comentários
Publicidade

Os argelinos de Paris comemoraram a classificação inédita da seleção da Argélia para as oitavas de final como se tivessem conquistado o título da Copa do Mundo. Ao contrário da torcida francesa, que costuma comemorar as vitórias de maneira contida, a argelina tomou as ruas da capital e milhares de pessoas devem entrar em festa madrugada a dentro.

Quer acompanhar as notícias e jogos da sua seleção? Baixe nosso app. #TerraFutebol

Menos de uma hora após o empate por 1 a 1 com a Rússia, a avenida Champs-Élysées já estava cheia de torcedores argelinos. A via é o principal ponto de encontro após as partidas. O barulho de buzinas, típico das comemorações de jogos da Argélia, ressoava por toda a capital.

Muitos torcedores chegaram à Champs-Élysées após terem assistido à partida em Barbès, o tradicional bairro da comunidade argelina na capital francesa – calculada em cerca de 1,3 milhão de pessoas em todo o país.

“Barbès é a Argélia em Paris”, explicou Nemouchi Hebizadt, pouco antes do jogo, para o qual estava confiante. “Nos últimos anos nós evoluímos muito. Não precisamos chegar até a final, mas acho que podemos sonhar com as quartas”, disse, com uma peruca verde, branca e vermelha, as cores da Argélia.

A classificação histórica foi seguida por centenas de pessoas no bairro. Antes, durante e depois do jogo, a região esteve sob forte policiamento, devido à violência ocorrida em toda a França após a vitória argelina contra a Coreia do Sul - uma pessoa morreu e 28 foram detidas durante as comemorações no último domingo.

<p>Torcedores da Argélia celebram a classificação inédita nas ruas de Paris</p>
Torcedores da Argélia celebram a classificação inédita nas ruas de Paris
Foto: Mário Camera / Especial para Terra

Isso, no entanto, não impediu que pequenas multidões se espremessem diante de lanchonetes espalhadas pelo bairro, tentando enxergar todos lances em pequenas televisões.

“Eu não consigo ver nada, mas isso é até bom, pois eu fico menos agoniado”, disse Walid Ould Moussa, vestido com um túnica representando a bandeira da Argélia. No intervalo do jogo, quando o placar ainda marcava 1 a 0 para Rússia, o argelino afirmava que sua seleção se classificaria. “O time está jogando pouco, mas eu acredito que vamos nos classificar”, previu.

Aos 15min do segundo tempo, quando Slimani empatou, as dezenas de torcedores espremidos em frente a uma lanchonete da Rua de Chartres foram ao delírio. Os argelinos pareciam comemorar o gol do título mundial. Famílias que assistiam aos jogos em seus apartamentos foram até as janelas com bandeiras, enquanto uma nuvem de fumaça dos sinalizadores tomava o local.

Sem conseguir conter-se, Kader Khemache andava de um lado para o outro, enquanto realizava uma contagem regressiva, que começou quando ainda faltavam dez minutos para o fim da partida. Não parou nem nos quatro de acréscimo dados pelo árbitro. Quando o apito final foi dado, ele não parecia acreditar.

“Nem quero fazer festa. Só queria mesmo vencer esse jogo. É histórico, estamos nas oitavas”, comemorou Kader, que só perdeu a empolgação quando falou do adversário da próxima fase, a Alemanha. “É preciso ser realista, provavelmente não vamos vencer”, disse, antes de se enrolar na bandeira da Argélia e juntar-se às centenas de pessoas que já fechavam a principal avenida de Barbès.    

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade