0

Por onde andam clubes que brilharam em outros Brasileirões

23 mai 2017
11h02
  • separator
  • comentários

O Campeonato Brasileiro, desde que ficou conhecido como tal, em 1971, chega a sua 47ª edição com os tradicionais favoritos – os grandes de São Paulo, Rio, Minas e Rio Grande do Sul. Saíram dos quatro Estados 41 desses títulos. Entre todos os campeões, apenas dois não figuram entre os times da Série A neste ano – o Internacional e o Guarani. O time gaúcho sofreu a queda inédita no ano passado e a tendência é que se recupere logo. Já o Bugre de Campinas sofre há décadas para voltar aos bons tempos.

Campeão brasileiro da Série A em 1978, o Guarani, de Campinas (SP) vem sofrendo com dificuldades financeiras nos últimos anos e disputou a Série C no ano passado, conseguindo o acesso
Campeão brasileiro da Série A em 1978, o Guarani, de Campinas (SP) vem sofrendo com dificuldades financeiras nos últimos anos e disputou a Série C no ano passado, conseguindo o acesso
Foto: Divulgação/Guarani FC

O Guarani foi campeão brasileiro em 1978, com um time de primeira, no qual se destacavam Zenon, Capitão e Careca. Depois disso, no entanto, caiu no limbo. Hoje, amarga o segundo escalão tanto no Paulista (Série A2), quanto no Brasileiro (Série B), competição pela qual no sábado perdeu para o Santa Cruz por 2 a 1, fora de casa.

Mas não é um exemplo isolado. A Portuguesa, vice do Brasileiro em 1996, levou um tombo com sequelas graves no final de 2013. Rebaixada desde então, caiu da Série A para a Série D em apenas quatro anos. No domingo, estreou na Quarta Divisão e venceu em casa a Desportiva-ES por 1 a 0, diante de apenas 674 pagantes. No Paulista, assim como o Guarani, a Lusa figura na Série A2.

Com 674 espectadores, a Portuguesa, que foi vice-campeão da Série A em 1996, estreou no último domingo (21) na disputa da Série D do Campeonato Brasileiro
Com 674 espectadores, a Portuguesa, que foi vice-campeão da Série A em 1996, estreou no último domingo (21) na disputa da Série D do Campeonato Brasileiro
Foto: Divulgação/Portuguesa

O time do Canindé vai ter pela frente, no sábado, um adversário que também não chegou ao topo do futebol nacional por muito pouco: o Bangu. Em 1985, num Maracanã lotado, a equipe da zona oeste do Rio decidiu o título do Brasileiro contra o Coritiba. Perdeu nos pênaltis e viveu ali seu último momento glorioso. A partir de então, o Bangu conta 32 anos de resultados inexpressivos, traduzidos pelo vaivém nas Séries A e B do Carioca.

Este ano na Série D do Brasileiro, o Bangu montou um time apenas razoável para tentar o acesso. Na sua estreia, domingo, obteve uma vitória surpreendente sobre o Vila Nova (3 a 1), em Nova Lima (MG).

Vice-campeão da Série A em 1985, o Bangu estreou no último fim de semana com vitória na disputa da Série D do Campeonato Brasileiro
Vice-campeão da Série A em 1985, o Bangu estreou no último fim de semana com vitória na disputa da Série D do Campeonato Brasileiro
Foto: João Carlos Gomes/Bangu AC

A situação de Portuguesa e Bangu é parecida com a do São Caetano. Vice-brasileiro em 2000 e 2001, o time está fora das quatro divisões criadas pela CBF. Como alento, conquistou há poucas semanas o título da Série A2 do Paulista, o que lhe valeu a recondução ao convívio com os grandes de São Paulo.

Já o Bragantino, outro vice nacional, em 1991, num time que tinha Mauro Silva e era dirigido por Carlos Alberto Parreira, atualmente está na C do Brasileiro. No fim de semana, perdeu para o Macaé, por 1 a 0, fora de casa. No início de maio, o time selou sua volta à divisão principal do Paulista, como vice da A2, derrotado exatamente para o São Caetano.

Entre semifinalistas do Brasileiro, quando ainda não era disputado no sistema de pontos corridos, dois clubes lutam há anos para voltar à elite. São eles o Londrina (quarto em 1977) e o Brasil de Pelotas (terceiro em 1985). Ambos estão na Série B do Nacional.

Há outros, porém, que estão muito longe disso. É o caso do América-RJ, que travou um duelo de igual para igual com o São Paulo na semifinal de 1986, mas acabou superado. Ficou em quarto lugar. Hoje, não consta nem do ranking da CBF e integra a Série B do Rio. Seus torcedores mais apaixonados, e bem humorados, quando indagados sobre a situação do clube no Brasileiro, têm uma resposta pronta: “O América é fora de série.”

 

Veja também:

 

Fonte: Especial para Terra
  • separator
  • comentários
publicidade