PUBLICIDADE

Crespo e Carille chegam ao San-São pressionados pelo risco de rebaixamento

7 out 2021 08h23
| atualizado às 08h23
ver comentários
Publicidade

São Paulo e Santos se enfrentam nesta quinta-feira, às 18h30 (de Brasília), no estádio do Morumbi, pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro. As duas equipes chegam para o clássico em situações parecidas: lutando para se afastar da zona de rebaixamento e com os técnicos pressionados. O Tricolor figura em 13º lugar. Já o Peixe aparece na 16ª colocação, sendo o primeiro time fora do Z4.

Hernán Crespo vive o momento mais delicado desde que desembarcou no Brasil. Vindo de três jogos sem vitória no Brasileirão e de recentes eliminações na Libertadores e Copa do Brasil, o técnico lida com uma grande pressão sobre seus ombros e, inclusive, participou de reunião nesta semana para uma "correção de rota".

Com sete meses de casa, Hernán Crespo precisou de apenas três para tirar o São Paulo da fila. Com um desempenho superior ao de qualquer outra equipe, o Tricolor sobrou no Paulistão, terminando a primeira fase com a melhor campanha e vencendo o Palmeiras na final. Com isso, as expectativas em relação ao trabalho de Crespo aumentaram, mas o time não vem conseguindo corresponder a essa altura da temporada.

O técnico Fábio Carille, por sua vez, chegou ao Santos em meio a um jejum de seis vitórias e com a decisão contra o Athletico-PR pelas quartas de final da Copa do Brasil. Com pouco tempo para treinar, o Peixe acabou eliminado em plena Vila Belmiro.

No Campeonato Brasileiro, Carille dirigiu o Santos em três jogos: empates com Bahia e Ceará e derrota para o Juventude. O Peixe agora não vence há 10 partidas e está nas últimas colocações.

A expectativa de Carille é melhorar o desempenho do Santos após o tempo grande para treinamentos. O Peixe teve 10 dias de preparação para o clássico.

Embora ainda seja muito cedo para julgar o trabalho de Fabio Carille no Santos, a pressão, assim como no São Paulo, aumenta a cada rodada em que o time não consegue um resultado positivo. Justamente por isso, o clássico San-São desta quinta-feira é tratado como uma verdadeira final de ambos os lados.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
Publicidade
Publicidade