0

Equatorianos dominam arquibancadas e bares de Curitiba

21 jun 2014
08h02
  • separator
  • 0
  • comentários

O Largo da Ordem, no centro histórico da cidade de Curitiba, é um tradicional ponto de encontro de curitibanos em dias e finais de semana. Com a chegada da Copa do Mundo e a presença de torcedores das diversas nacionalidades, o local está ainda mais agitado.

<p>Equatorianos foram a maioria em Curitiba e na Arena da Baixada</p>
Equatorianos foram a maioria em Curitiba e na Arena da Baixada
Foto: Reuters

Quer acompanhar as notícias e jogos da sua seleção? Baixe nosso app. #TerraFutebol

Nesta sexta-feira, Equador e Honduras se encontraram na segunda partida realizada na Arena da Baixada. Diferente do primeiro jogo, o confronto teve três gols e terminou com vitória equatoriana por 2 a 1, de virada.

Na arquibancada da Arena, o percentual de torcedores da seleção sul-americana era de 12,1% pelas arquibancadas, enquanto os hondurenhos não passavam de 1,5%. Nos bares espalhados pela capital paranaense, a visão era a mesma.

Equatorianos ou simpatizantes deles dominavam a torcida, fazendo muito barulho comemorando o primeiro triunfo do Equador no Mundial, que perdeu na estreia por 2 a 1 para a Suiça, no final da partida.

“Eles são bem alegres, gostei bastante do Equador. O time saiu atrás, depois de perder uns gols,mas conseguiu virar e comemoramos junto com eles. Esse clima de Copa é maravilhoso”, declarou Carla Lima, 23 anos, que fez coro no cânticos do bar.

O equatoriano Carlos Munhoz, 46 anos, veio a Curitiba com sua mulher e dois filhos. A estadia na cidade está sendo proveitosa e, no domingo, a família vai ao Rio de Janeiro passar quatro dias seguidos. “É uma cidade acolhedora, só não gostei do frio. Mas vou compensar na próxima viagem. No fim, Curitiba nos deu sorte e agora é garantir a classificação no próximo jogo”, afirma com esperança.

Comerciantes aprovam estrangeiros

Desde a Copa de 1982, Selma Tonatto do Prado aposta na transmissão dos jogos para atrair a clientela de turistas e de torcedores. No iniciou, era uma espécie de reunião com amigos e alguns convidados. Bem diferente de atualmente. “Hoje, mais de 800 pessoas almoçam e acompanham os jogos em meio a essa confraternização”, conta.

Pensando em atrair o público nesta época, a proprietária do bar e restaurante investiu em souvenirs temáticos, que também fazem alusão ao Mundial, como canecas com as doze arenas das cidades-sede e as bandeiras dos países na competição. “Todos os anos temos de buscar uma forma de aprimorar e atrair mais pessoas. O comerciante precisa ser criativo e investir na melhoria da sua infraestrutura. Esse é o melhor cartão de visita”, argumentou.

Rosana Zeghbi Martins é proprietária de uma panificadora na redondeza e afirma que o Mundial mudou o perfil dos clientes, especialmente com a maior circulação de turistas estrangeiros. “Até por estarem de férias, a passeio, longe do estresse e da correria cotidiana, eles trazem uma simpatia fora de série. Não importa a língua falada, a maioria é educada, esbanja sorrisos e agradecimentos”, completou.

Fonte: PGTM Comunicação - Especial para o Terra PGTM Comunicação - Especial para o Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade