PUBLICIDADE
Logo do

Corinthians

Favoritar Time

Há 56 anos, carinho da Fiel em chegada de Garrincha ao Corinthians emocionou Elza Soares

20 jan 2022 21h56
| atualizado às 23h23
ver comentários
Publicidade

"A cada avião que surgia procurando aterrissagem, os gritos espoucavam: 'É esse, é esse!'." "Mas descia do aparelho um Caubi Peixoto, um Peri Ribeiro, artistas que vinham cumprir programas de TV. E nada do Mané."

Era esse o clima no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, há pouco mais de meio século, segundo o relato de A Gazeta Esportiva. No dia em que Garrincha chegou para assinar contrato com o Corinthians, torcedores começaram a aparecer no início da tarde e aguardaram até as 20h, quando pousou o bimotor da Sadia que carregava a mais nova esperança alvinegra de encerrar um jejum superior a uma década.

A Fiel estava ávida por abraçar o Mané. E ele finalmente chegou, "trajando calça esporte de cor cinza", ao lado da companheira Elza Soares, "exibindo vestido de passeio moderno e elegante": "um casalzinho simpático". O craque foi festejado e vestiu sua nova camisa - buscada de última hora na casa de Rivellino, com o número 10 às costas. Ainda que não houvesse samba, lágrimas claras rolaram sobre a pele escura de Elza."Desculpem se estou chorando. Não posso evitar. Sabia que o povo de São Paulo me queria bem, pelos meus programas na TV. Mas estou vendo que o Garrincha é ainda mais querido. E isso me comove. Me toca o coração", disse a cantora, claramente esgotada, mas recusando a oferta de repousar enquanto o companheiro rumaria em jipe aberto ao clube. "Nada disso. Diga a eles que vou acompanhar o meu Neném até o Parque São Jorge. Estou cansada, mas vou até o fim."

E foi. Lá estava ela, na zona leste de São Paulo, observando o foguetório armado para o reforço e ouvindo a tradicional sirene acionada no Corinthians para anunciar grandes contratações - bem antes da banalização que a acionou até para celebrar Paulo Nunes. O hino alvinegro, repetido à exaustão, não foi acompanhado pelo festejado. "Não se incomodem, meus amigos. Tenho dois anos de prazo para decorar essa cantiga. E isso vai acontecer em todas as vezes em que eu contribuir, com meus esforços, para uma grande vitória do Corinthians", justificou, ganhando total compreensão. "Sou Corinthians. Corinthians, Corinthians. De corpo e alma. Querendo ser campeão".

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
Publicidade
Publicidade