0

Edu Gaspar chora e lembra morte de irmã após tragédia em Oruro

21 fev 2013
01h52
atualizado às 02h27

O gerente de futebol Edu Gaspar não conteve as lágrimas ao comentar a tragédia que ocorreu no Estádio Jesús Bermúdez, onde o Corinthians empatou por 1 a 1 com o San Jose na noite desta quarta-feira. A morte de um torcedor boliviano de apenas 14 anos, vítima de um sinalizador, fez o dirigente se lembrar do acidente fatal de sua irmã.

"Tenho um filho que vai para o Pacaembu, que fica sentado comigo ao lado da torcida rival. Passei por isso na pele com a minha irmã", disse Edu, pouco antes de interromper o seu discurso para chorar.

Em dezembro de 2000, Fabrícia Daude Gaspar, de 26 anos, morreu em um acidente automobilístico na Rodovia Carvalho Pinto, na altura de Jacareí. A irmã de Edu viajava na companhia do namorado, Richardson Leandro da Silva.

"De que maneira podemos ajudar nesses casos? Não há. Sei disso. Mas temos que estar à disposição para o que for possível", afirmou, sem saber também como interceder pelos corintianos acusados de atirar o sinalizador no torcedor do San José. "Não sei se temos força ou poder em um momento tão triste."

Edu contou ainda que estava próximo do local onde a tragédia ocorreu em Oruro. "As pessoas nos xingaram e tivemos que sair dali no segundo tempo. Fomos buscar mais notícias. Foi uma fatalidade. A nossa volta para casa será dura. Não tenho muito mais o que dizer a não ser lamentar", concluiu o gerente corintiano, muito abatido.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
publicidade