PUBLICIDADE

Lances apontados em dossiê de Textor ridicularizam denúncia de manipulação

Até o momento, evidências de jogos potencialmente manipulados listadas pelo dono do Botafogo são tão frágeis quanto narrativa conspiratória

7 jun 2024 - 07h47
Compartilhar
Exibir comentários
John Textor insiste em dizer que última edição do Campeonato Brasileiro foi manipulada
John Textor insiste em dizer que última edição do Campeonato Brasileiro foi manipulada
Foto: Wagner Meier/Getty Images / Esporte News Mundo

Depois do depoimento de Leila Pereira à CPI da Manipulação de Jogos, John Textor sentiu o golpe das alfinetadas disparadas pela presidente do Palmeiras e contra-atacou nas redes sociais com um vídeo que, em tese, endossaria sua denúncia de que o último Campeonato Brasileiro, vencido pelo clube alviverde, teria sido manipulado.

Segundo o dono do Botafogo, a análise do VAR no lance da expulsão de Adryelson, em jogo contra o Palmeiras no ano passado, quando seu time chegou a estar vencendo por 3 a 0 e acabou sofrendo a virada, teria induzido a decisão do árbitro de campo.

Para Textor, o fato de o VAR não ter selecionado o ângulo da imagem em que é possível ver o zagueiro botafoguense tocando na bola antes de derrubar Breno Lopes, do Palmeiras, seria um indício de manipulação. Entretanto, o empresário ignora que a regra não estipula que um toque prévio na bola sirva para anular uma jogada faltosa, como a de Adryelson, que atingiu o atacante adversário na altura da barriga e ainda o puxou pela camisa.

A interpretação do VAR e do árbitro da partida foi de que o defensor alvinegro impediu uma chance clara de gol, seguindo o protocolo previsto para lances do tipo, e optou por expulsá-lo de campo. Por mais que possa se discordar da decisão interpretativa da arbitragem, não há como cravar que houve manipulação sob o argumento de um ou outro ângulo de câmera ter sido desprezado na análise, já que nenhum deles indica que a falta cometida pelo jogador do Botafogo não existiu.

Já no relatório encomendado por Textor à empresa Good Game, como divulgado pelo UOL, o escrutínio baseado em inteligência artificial da goleada por 5 a 0 do Palmeiras sobre o São Paulo adota critérios no mínimo esdrúxulos para colocar o resultado sob suspeita.

Um deles, por exemplo, “detecta” que o goleiro Rafael teve “atitude deficiente” por não defender uma cobrança de pênalti, descrevendo o lance como “potencialmente anormal”. Em outros gols, o relatório descreve comportamentos corriqueiros de atletas como “situações anormais”. Se um defensor que não intercepta um cruzamento ou deixa de marcar um adversário em movimentação de ataque for automaticamente suspeito, o futebol se torna um terreno amplo de desconfiança e teorias vagas de trapaças.

Até o momento, as evidências de jogos manipulados listadas pelo dono do Botafogo são tão frágeis quanto a narrativa conspiratória que atribui a um suposto esquema de arbitragem e corrupção de jogadores a perda de um título praticamente ganho. Os lances apontados no dito dossiê de Textor acabam por ridicularizar sua própria denúncia.

Fonte: Breiller Pires Breiller Pires é jornalista esportivo e, além de ser colunista do Terra, é comentarista no canal ESPN Brasil. As visões do colunista não representam a visão do Terra.
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade