PUBLICIDADE

Convocação de Antony para a seleção é um desrespeito às mulheres

Primeira bola fora de Fernando Diniz, voto de confiança a atacante do Manchester United revela insensibilidade sobre violência de gênero

18 ago 2023 - 15h19
(atualizado às 15h26)
Compartilhar
Exibir comentários
Em junho, Antony foi denunciado pela ex-namorada por violência doméstica
Em junho, Antony foi denunciado pela ex-namorada por violência doméstica
Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Memória curta é um problema crônico no futebol, sobretudo quando envolve questões que vão além do campo-bola. Há menos de dois meses, Antony foi denunciado pela ex-namorada Gabriela Cavallin por violência doméstica. Indiferente à gravidade da situação, Fernando Diniz, novo técnico da seleção brasileira, resolveu incluir o nome do jogador em sua primeira lista de convocados.

Não significa que o atacante do Manchester United não tenha direito à ampla defesa. Ao se pronunciar sobre o caso pelas redes sociais, após prestar esclarecimentos em uma delegacia, Antony negou ter agredido Cavallin e diz ter sido alvo de uma falsa acusação.

Porém, a DJ que o denunciou apresentou à polícia prints de conversas em que o jogador a ameaçava, registrou fotos de lesões supostamente causadas pelas agressões e alegou em depoimentos ter sofrido, inclusive, ameaças de morte.

O processo aberto por Cavallin exige uma postura cuidadosa e sensível por parte do treinador da seleção. Já é questionável o Manchester United – ainda mais depois do caso Greenwood – manter o jogador treinando e jogando normalmente, como se não existisse uma denúncia, mas ao menos o clube, como empregador do atleta, se apega ao argumento jurídico de que precisaria esperar o desenrolar das investigações antes de tomar qualquer medida mais severa.

No caso da seleção, nada justifica convocar jogador denunciado por violência contra a mulher antes de um veredito da Justiça, muito menos o fato de Diniz já ter trabalhado com Antony nos tempos de São Paulo e confiar no atacante. A convocação se torna ainda mais indefensável diante da postura do treinador com Lucas Paquetá.

Horas antes da divulgação da lista, estourou a informação de que o meia do West Ham está sendo investigado na Inglaterra por suposto envolvimento em esquema de apostas. O técnico justificou que, a princípio, Paquetá estava entre os convocados, mas decidiu cortá-lo para preservar o jogador.

“O que me protege a vida inteira é a verdade. Não é uma questão de pré-julgamento, mas de preservação”, explicou Diniz. No entanto, ele entrou em contradição ao ser perguntado sobre o caso de Antony, que ele definiu como “uma coisa muito incipiente”. 

Pois bem, se a investigação a Paquetá veio a público às vésperas da convocação, o que dizer da denúncia contra Antony, protocolada há quase dois meses? Ou, por acaso, violência contra a mulher seria um crime menos grave que manipulação de resultados?

Bancar Antony nessas condições, ainda que se respeite a presunção de inocência do jogador, é a primeira bola fora de Fernando Diniz como treinador da seleção. E, por tabela, um desrespeito às mulheres que frequentemente são desacreditadas ao denunciar violências machistas.

Fonte: Breiller Pires Breiller Pires é jornalista esportivo e, além de ser colunista do Terra, é comentarista no canal ESPN Brasil. As visões do colunista não representam a visão do Terra.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade