PUBLICIDADE

Flamengo vence São Paulo e é heptacampeão do NBB

Rubro-negro varre tricolor paulista, chega à 34ª vitória seguida e conquista sétimo título do NBB

27 mai 2021 20h44
| atualizado às 21h11
ver comentários
Publicidade

Em mais um jogo extremamente disputado no Ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro, o Flamengo bateu o São Paulo por 93 a 85, nesta quinta-feira (27), sagrou-se campeão do NBB 2020/21 e conquistou o sétimo título da competição.

Flamengo heptacampeão do NBB
Flamengo heptacampeão do NBB
Foto: Divulgação / Flamengo / Jumper Brasil

Já pelo vice-campeão São Paulo, que chegou as finais do NBB em sua primeira aparição nos playoffs, o pivô Lucas Mariano brilhou e, individualmente, fechou com estilo a temporada 2020/21, sendo o cestinha do embate com 22 pontos e dez rebotes. Sem muito impacto, sobretudo no primeiro tempo, o atual MVP Georginho de Paula cresceu no jogo e flertou com um triplo-duplo: 18 pontos, 12 rebotes e nove assistências. Além da dupla destaque do time são-paulino, Kenny Dawkins surpreendeu e contribuiu com 19 pontos e cinco assistências em uma das suas melhoras partidas com a camisa do clube do Morumbi. Por fim, Corderro Bennett (15 pontos) e Renan Lenz (dez pontos) completam a lista.

Em paralelo aos dois primeiros jogos, São Paulo e Flamengo protagonizaram mais um duelo de alto nível. A partida começou novamente em um ritmo intenso, sobretudo no volume ofensivo de ambos os lados. Desta vez sem o domínio nos rebotes ofensivos, o Flamengo apostou na individualidade de seus atletas e foi mais efetivo no período inicial, indo na contramão dos embates anteriores. Os comandados de Gustavo de Conti, eficientes, aproveitaram os arremessos duplos e triplos, mantendo uma constância importante ao longo dos primeiros dez minutos. Yago e Hettsheimeir foram cruciais, no perímetro e no garrafão, respectivamente. Precisando de uma sobrevida na série, o tricolor paulista mais uma vez deixou a desejar no perímetro e esteve longe de igualar a agressividade adversária. Bons momentos de Georginho, Renan Lenz e Lucas Mariano, mesmo com menor impacto, não permitiram uma maior vantagem do time flamenguista, que venceu a parcial do período por 26 a 20.

Já no segundo quarto, o tricolor paulista cresceu nos minutos iniciais e chegou a virar o jogo, passando a frente no marcador por somente um ponto. Todavia, os comandados de Cláudio Mortari não conseguiram encontrar a constância necessária, como de praxe na série, e viram o Flamengo recuperar o bom basquetebol após ajustes do técnico Gustavo de Conti. Mais uma vez explorando erros comuns do time são-paulino, como rebotes ofensivos, assim permitindo pontos de segunda chance ao adversário, o rubro-negro carioca aproveitou-se do bom trabalho de transição ofensiva e, liderados por um notório jogo coletivo, ampliou a vantagem, que seria de nove pontos ao fim do primeiro tempo se o pivô Lucas Mariano não convertesse uma bola importante do perímetro no estouro do cronômetro, diminuindo a desvantagem do clube do Morumbi para seis pontos. Vale destacar o grande feito defensivo do Flamengo no período: aumentou a carga sobre as principais peças de ataque do São Paulo reduziu o armador Georginho de Paula a somente três rebotes e uma assistência, sem pontuar. Gustavinho também aproveitou a vantagem para descansar Marquinhos e Hettsheimeir, que pouco jogaram.

São Paulo ganhou mais um nome importante na volta do intervalo. Kenny Dawkins não vinha fazendo uma boa série, mas cresceu no embate dessa quinta-feira e tornou-se nome importante na rotação tricolor, em especial no terceiro quarto junto ao pivô Lucas Mariano. Ambos carregaram a produção ofensiva do time paulista. No entanto, o Flamengo seguiu superior e dominou grande parte do período. A vantagem flamenguista, que era de seis pontos ao fim do primeiro tempo, chegou a ser de 14 pontos. Mal defensivamente, os são-paulinos não conseguiram conter a eficiência do rubro-negro carioca. O São Paulo precisava diminuir a vantagem para tentar buscar o resultado nos dez minutos finais e o fez. Em alta nos momentos finais, os comandados de Cláudio Mortari reduziram o saldo positivo do Flamengo para somente oito pontos.

O panorama da partida aparentava novamente se comparar aos jogos anteriores da grande final do NBB 2020/21, com o São Paulo buscando uma reação diante do Flamengo em uma intensidade menor. Aumentando o ritmo, o tricolor paulista cresceu e cortou a vantagem carioca para três pontos, ficando a apenas uma posse de igualar o marcador. A experiência do rubro-negro, contudo, fez total diferença ainda na primeira metade do período final e os comandados de Gustavinho aumentaram a moral após uma corrida de 7 a 0, assim elevando ainda mais a vantagem emocional sobre o tricolor paulista, que lutava para evitar uma varrida e ainda sonhar com o título inédito da competição. Nos momentos finais, o São Paulo lutou, foi resiliente, contou com Corderro Bennett excelente nas infiltrações, mas não conseguiu parar o enorme poderio ofensivo do Flamengo, que venceu o terceiro confronto da série por 93 a 85, varreu os paulistas e tornou-se heptacampeão do NBB.

Com a vitória e, consequentemente, o sétimo título do NBB, o Flamengo consolida ainda mais sua hegemonia no basquete nacional, ampliando a vantagem sobre Brasília, segundo maior campeão com três títulos.

Jumper Brasil
Publicidade
Publicidade