PUBLICIDADE

"Mitchell foi heroico nos playoffs", exalta dirigente do Jazz

Apesar da eliminação da equipe de Utah, jovem astro termina temporada reverenciado após grandes atuações enquanto lesionado

21 jun 2021 14h29
| atualizado às 18h17
ver comentários
Publicidade

O Utah Jazz foi eliminado dos playoffs de forma decepcionante para uma equipe de melhor recorde da temporada regular, mas isso não impediu que Donovan Mitchell terminasse a campanha com uma aura de herói para a franquia. O jovem astro teve grandes atuações na série contra o Los Angeles Clippers, mesmo jogando bastante limitado por uma lesão no tornozelo direito. Para o vice-presidente de operações do time, Dennis Lindsey, o desempenho do atleta precisa ser reconhecido e celebrado.

Donovan Mitchell, ala-armador do Jazz
Donovan Mitchell, ala-armador do Jazz
Foto: Adam Pantozzi/AFP / Jumper Brasil

"A performance de Donovan foi heroica na pós-temporada. Não há melhor palavra para definir o que vimos. O fato de ter apresentado o seu melhor basquete no momento em que seu melhor era necessário, mesmo em condição física claramente abaixo do ideal, foi algo para ser lembrado por muito tempo", exaltou o executivo, em uma entrevista coletiva depois da derrota que sacramentou a saída da equipe da competição.

Mesmo lidando com uma entorse de gravidade desconhecida no tornozelo desde o início do mata-mata, Mitchell registrou médias de 34.8 pontos (com 45.8% de conversão nas tentativas de longa distância), 5.0 rebotes e 5.3 assistências com quase 38 minutos de ação. Na sexta e derradeira partida do duelo contra os angelinos, encarando uma noite coletiva abaixo do esperado, o craque lutou anotando 39 pontos, nove rebotes e nove assistências.

"Donovan foi simplesmente um guerreiro nesses playoffs. O que entregou para nós não é simples e nem todos são capazes de fazer. Estamos falando de um jogador único. É preciso ter uma competitividade e desejo de estar em quadra inabaláveis para ir jogar com o tipo de dor com que vem lidando nas últimas partidas", reconheceu o treinador Quin Snyder, que já havia dito que a situação física do comandado estava bem mais comprometida do que o imaginado.

Mitchell acaba de se tornar o segundo jogador da história da NBA a registrar média de 25 pontos por jogo por um time que liderou sua conferência e não entrar em um dos quintetos ideais da temporada. O ala-armador de 24 anos esteve presente em 53 partidas da campanha do Jazz, com médias de 26.4 pontos - incluindo quase 39% de acerto nos arremessos de longa distância -, 4.4 rebotes e 5.2 assistências.

Jumper Brasil
Publicidade
Publicidade