PUBLICIDADE

Red Bull vê teto de gastos afetado por inflação na Europa e cobra: "FIA precisa lidar"

Chefe da Red Bull, Christian Horner criticou novamente o teto de gastos e argumentou que os custos aumentaram de forma exponencial na Europa em relação ao momento do acordo

25 jun 2022 - 04h15
Ver comentários
Publicidade
Christian Horner criticou o teto de gastos da F1 mais uma vez
Christian Horner criticou o teto de gastos da F1 mais uma vez
Foto: Mark Thompson/Getty Images/Red Bull Content Pool / Grande Prêmio

O QUE ACONTECE COM A HAAS DEPOIS DE COMEÇO ANIMADOR NA FÓRMULA 1 2022?

A temporada 2022 da Fórmula 1 segue em andamento, as corridas passam, mas o assunto continua o mesmo: o tão comentado teto de gastos previsto para esse ano. Mais uma vez, o responsável por abordar o tema foi Christian Horner — um defensor ferrenho de que a FIA aumente o limite estabelecido inicialmente.

Chefe da Red Bull, o britânico argumentou que a inflação atingiu todas as extremidades da Europa — devido à invasão da Ucrânia por parte da Rússia —, e que as equipes não conseguem controlar o aumento desenfreado que a situação provocou nos gastos.

A Red Bull cobrou intervenção da FIA na questão do teto de gastos (Foto: Mark Thompson/Getty Images/Red Bull Content Pool)

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

"O jeito com o qual você desenha seu carro está dentro do seu controle", disse Horner à emissora Sky Sports. "Isso é algo que você, junto com seu grupo de designers, cria. Você controla seu próprio destino. O que estamos vendo no mundo no momento, não estamos no controle dos custos inflacionários que estão afetando lares ao redor do mundo", explicou.

Horner citou até mesmo o aumento do custo de vida na Inglaterra, que tem previsão de aumento na inflação, e disse que essa subida afeta diretamente o que é gasto pelas equipes em diversas frentes. Anteriormente, o chefe da Red Bull já havia dito que teme ver o campeonato "acabar em um tribunal", pois grande parte dos times sofre com o limite estabelecido pela FIA.

"No Reino Unido, estamos vendo a inflação prevista aumentar em 11%", prosseguiu o chefe da Red Bull. "Isso tem um efeito direto em pessoal, materiais, eletricidade, mercadorias, nas peças. Acho, genuinamente, que é um evento de força maior que a FIA precisa lidar", opinou.

A próxima etapa da temporada 2022 marca o retorno da Fórmula 1 à Europa: o GP da Inglaterra, tradicional etapa disputada em Silverstone, está marcada para acontecer entre os dias 1º e 3 de julho.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade