PUBLICIDADE

Pérez pede sensatez e pretende discutir "acordo de cavalheiros" em classificações da F1

Sergio Pérez, um dos pilotos mais experientes do grid, disse que a Fórmula 1 precisa discutir a postura de alguns dos seus pares na pista na classificação. Em Baku, por exemplo, vários competidores fizeram ultrapassagens na sessão para garantir um bom lugar na pista e também para buscar o vácuo, algo que quebra o que 'Checo' chama de "acordo de cavalheiros"

15 jun 2021 07h47
ver comentários
Publicidade
Sergio Pérez apontou falta de respeito de determinados pilotos nas classificações
Sergio Pérez apontou falta de respeito de determinados pilotos nas classificações
Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool / Grande Prêmio

Existe na Fórmula 1 uma espécie de "acordo de cavalheiros" em vigor sobretudo nas sessões classificatórias. Trata-se de uma regra implícita, portanto que não faz parte do regulamento oficial, mas sim um consenso entre os pilotos de que é preciso dar espaço uns para os outros antes da abertura das respectivas voltas rápidas para que todos tenham as mesmas condições e que não possam atrapalhar os demais competidores. Contudo, vez ou outra, a F1 se depara com situações controversas, como na classificação do GP do Azerbaijão. Foi comum, por exemplo, ver ultrapassagens na sessão: tudo com o objetivo de garantir uma boa posição na pista e também para buscar o vácuo do carro da frente para buscar uma volta melhor em Baku.

Sergio Pérez, aos 31 anos, é um dos pilotos mais experientes do grid. Em sua 11ª temporada na Fórmula 1, o mexicano toma a frente para falar sobre o que viu em Baku. 'Checo' pediu aos seus pares no grid respeito e sensatez e prometeu debater as violações ao chamado acordo de cavalheiros neste fim de semana de GP da França.

Sergio Pérez pretende abordar o que chamou de "acordo de cavalheiros" nas classificações da F1 (Foto: Red Bull Content Pool/Getty Images)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! .

Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

"Basicamente, todos fomos ao mesmo tempo [para a pista], e o pessoal criou espaços, mas depois outros ultrapassaram e não respeitaram o acordo de cavalheiros. Isso só tornou as coisas um pouco mais difíceis. Não encaixamos a volta quando mais importava. Simples assim. Alguns pilotos respeitam isso. Nem todos", comentou o piloto da Red Bull em entrevista veiculada pela revista britânica Autosport.

Pérez lembrou que o ocorrido em Baku é algo frequente na Fórmula 1 nos últimos tempos. "O caos começa quando o pessoal fica ultrapassando no fim da volta, e sabemos que devemos somente manter a posição e tentar abrir um espaço. É como um engarrafamento. De repente, fica cada vez pior. Tem sido assim há alguns anos".

"Talvez seja algo que devemos discutir como pilotos e ser mais sensatos sobre isso, especialmente quando se trata de classificação, que devemos ser mais respeitosos e mais conscientes de que isso pode criar dificuldades para os outros. Definitivamente, vale a pena uma conversa para ver como todos se sentem a respeito", disse.

Um dos pilotos a violar o acordo de cavalheiros foi Nikita Mazepin. Na classificação do GP da Emília-Romanha, por exemplo, o piloto da Haas ultrapassou Antonio Giovinazzi em volta rápida e deixou o italiano muito irritado. E na sessão que definiu o grid do GP da Espanha, Mazepin atrapalhou Lando Norris no Q1.

"Existem alguns pilotos que realmente respeitam isso e você pode confiar. Mas há alguns que você não pode. Então, acho que, provavelmente, é bom trazer isso de volta à tona e conversar sobre tudo, ver se é algo que todos nós sentimos que deveria acontecer", complementou Pérez.

Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade