0

Jordan afirma que patrocinador vai comprar e mudar nome da Mercedes na F1

O ex-chefe de equipe Eddie Jordan volta a trazer informações importantes de bastidores: a Mercedes vai virar Ineos. De acordo com Jordan, a atual patrocinadora vai comprar 70% da equipe, tirando Toto Wolff da chefia e iniciando nova fase na Fórmula 1

14 set 2020
05h17
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Lewis Hamilton festeja vitória no GP da Toscana
Lewis Hamilton festeja vitória no GP da Toscana
Foto: Mercedes / Grande Prêmio

O futuro da Mercedes na Fórmula 1 virou alvo de intensa especulação, com a possibilidade de uma reformulação completa vindo à tona. De acordo com o ex-chefe de equipe Eddie Jordan, a Ineos vai comprar 70% da escuderia. A gigante do mercado de químicos patrocina os campeões da F1 desde o começo de 2020 e tem interesse em assumir a gestão.

O homem por trás da empreitada é Jim Ratcliffe, fundador da Ineos. Considerado o homem mais rico do Reino Unido, Ratcliffe está disposto a desembolsar £ 700 milhões (R$ 4,7 bilhões) para finalizar a aquisição. A Mercedes ainda ficaria envolvida com a equipe após a passagem de bastão, mas resolvendo um problema: depois de sete anos de domínio, não há mais nada que a marca alemã possa conquistar na Fórmula 1.

"Jim Ratcliffe e a Ineos vão comprar a equipe", disse Jordan em declarações divulgadas pelo jornal Daily Mail. "O nome da Ineos já está na lateral do carro e há uma parceria tecnológica, então essa é uma boa saída para a Mercedes. A equipe vai se chamar Ineos, mas ainda vai ser gerida na fábrica de Brackley e com a Mercedes retendo 30% de ações. Só que a equipe não vai mais se chamar Mercedes e o Toto Wolff vai deixar de ser o chefe", seguiu.

A Ineos começou a patrocinar a Mercedes em 2020
A Ineos começou a patrocinar a Mercedes em 2020
Foto: Mercedes / Grande Prêmio

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! .

Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

A saída de Wolff é possibilidade ventilada há tempos. O dirigente nunca escondeu que o momento é de reflexão sobre o futuro, já sentindo o peso de anos de trabalho pesado e considerando cumprir um papel que não seja de chefia.

Independente de quem assuma após a saída de Wolff, Jordan vê a solução como a melhor para todos os envolvidos. A Ineos ganha chance de brilhar, enquanto a Mercedes passa por um choque de gestão que pode ser frutífero no longo prazo.

"Ficou difícil para eles. Como eles vão seguir vencendo? Como dá para melhorar o que eles já fizeram? Não dá. A reputação do Toto como um dos maiores chefes de equipe da história do esporte está garantida. O que ele alcançou na Mercedes o deixa no mesmo nível do Ron Dennis na McLaren e do Jean Todt na Ferrari, mas tudo tem um fim", ponderou Jordan.

Esta não é a primeira vez que Jordan afirma ter informações de bastidores sobre a Mercedes. O ex-chefe de equipe já sugeriu que a Mercedes deixaria a F1 ao fim de 2018, além de que Hamilton e Wolff iriam juntos para a Ferrari em 2020. Evidentemente, as duas especulações se provaram errôneas.

A Mercedes conquistou todos os Mundiais de Construtores desde 2014 e, além disso, viu um de seus pilotos sempre levando o Mundial de Pilotos no mesmo período. Quase sempre com Lewis Hamilton, a exceção sendo Nico Rosberg em 2016. O feito é único: ninguém nunca tinha conquistado os dois campeonato por seis anos seguidos. E, salvo uma enorme reviravolta, serão sete consecutivos ao fim de 2020.

Grande Prêmio
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade