PUBLICIDADE

Hamilton diz que 2022 foi "um dos anos mais difíceis" da Mercedes: "Pessoas choraram"

O heptacampeão relatou as dificuldades pela equipe não ter conseguido construir "um grande carro" na temporada passada e o clima da equipe de Brackley

26 jan 2023 - 05h01
Compartilhar
Exibir comentários
Hamilton ficou sem vencer pelo menos uma vez na temporada desde que entrou na F1, em 2007.
Hamilton ficou sem vencer pelo menos uma vez na temporada desde que entrou na F1, em 2007.
Foto: AFP / Grande Prêmio

Em 2022, a Mercedes enfrentou seu ano mais difícil da Era Híbrida na Fórmula 1, com apenas uma vitória na temporada —  com George Russell no GP de São Paulo — e o terceiro lugar no Mundial de Construtores. Lewis Hamilton, por sua vez, passou o ano sem pisar no lugar mais alto do pódio, com seu melhor resultado sendo o segundo lugar em França, Hungria, Austin, Cidade do México e Brasil.

Muito desse ano difícil pode ser atribuído ao W13, que enfrentou vários problemas ao longo da temporada, como por exemplo os quiques — o famoso porpoising. O desafio oferecido pelo primeiro carro com o novo regulamento técnico e a dificuldade para sanar os problemas acabaram trazendo um ano difícil para a sede de Brackley, mas Hamilton observou uma união da equipe durante o processo.

Relacionadas

Mercedes vê período na Williams como vital para adaptação de Russell na F1 2022
'Admitir que errou fará Mercedes saber o que não fazer em 2023'
'Mercedes só dará volta por cima quando admitir que errou em 2022'

"2022 foi um dos anos mais difíceis para nós como equipe, já que não construímos um grande carro e tivemos nossas dificuldades, como muitas pessoas, e tivemos que nos aproximar", disse Hamilton ao podcast Jay Shetty.

"Trabalho com essa equipe há 10 anos, e nas conversas que tivemos este ano, as pessoas se abriram como nunca antes, pessoas choraram. Sinto que é uma equipe melhor do que nunca, porque estamos trabalhando com um propósito. Na verdade, estamos falando sobre impacto", comentou.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

O Brasil foi um dos cinco países em que Hamilton conquistou um segundo lugar em 2022.
O Brasil foi um dos cinco países em que Hamilton conquistou um segundo lugar em 2022.
Foto: Reprodução / Grande Prêmio

No mesmo podcast, Hamilton também foi perguntado sobre a diversidade e equidade na Fórmula 1, já que o heptacampeão é uma das pessoas que mais traz luz a respeito do assunto na categoria. Ele inclusive elogiou a postura dos membros da Mercedes em se mostrarem dispostos a aprender mais sobre o tema.

"Todos na equipe terão treinamento de inclusão de diversidade. Ninguém disse: 'eu não vou fazer essa aula, por que eu tenho de ir e aprender o que é diversidade e inclusão?' ou 'por quê? Isso não me afeta'", observou.

"Agora, as pessoas dizem: 'eu entendo que não necessariamente notaria isso, mas quero entender mais, para que eu possa ser melhor no meu ambiente de trabalho'. Tem sido inacreditável. Além disso, [através de] líderes em nosso esporte, estamos no caminho para ser um esporte mais diversificado e inclusivo", comentou.

Além disso, Hamilton destacou a importância do debate sobre a diversidade não ser apenas um tema que 'esteja na moda' no momento. O piloto britânico pediu para que o assunto esteja sempre e destaque e afirmou que se esforça para fazer isso acontecer.

"Acho que meu trabalho é garantir continuamente que o mesmo esforço que estamos fazendo agora não desapareça só porque era 'tendência', [e garantir] que é realmente algo que está no topo da lista. E a sustentabilidade está no topo da nossa lista", afirmou.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

Grande Prêmio
Compartilhar
Publicidade
Publicidade