0

Wall Street avança com esperança de acordo comercial; Apple bate recorde

11 out 2019
11h58
atualizado às 15h10
  • separator
  • 0
  • comentários

Wall Street subia pela terceira sessão consecutiva nesta sexta-feira, com investidores esperançosos de que as negociações comerciais de alto nível entre Estados Unidos e China possam resultar em um acordo comercial parcial, de forma a adiar o aumento planejado de tarifas dos EUA sobre produtos chineses.

Operador na Bolsa de Valores de Nova York 
09/10/2019
REUTERS/Brendan McDermid
Operador na Bolsa de Valores de Nova York 09/10/2019 REUTERS/Brendan McDermid
Foto: Reuters

Às 11:54 (horário de Brasília), o índice Dow Jones subia 1,49%, a 26.891 pontos, enquanto o S&P 500 ganhava 1,540436%, a 2.983 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq avançava 1,82%, a 8.095 pontos.

As ações da Apple atingiram máxima recorde e davam o maior impulso para o S&P 500 e o Nasdaq, enquanto o setor de tecnologia caminhava para seu melhor dia em cinco semanas.

O presidente dos EUA, Donald Trump, disse que as negociações comerciais estavam indo bem e que ele irá se encontrar com o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, ao longo do dia. As negociações de alto nível entram em seu segundo dia nesta sexta-feira.

Analistas disseram que os mercados acionários estão sedentos por algum tipo de avanço nesta rodada de negociações.

"Nos últimos dois meses, vimos empresas afetadas pela incerteza em torno do comércio e os mercados vão procurar pistas para eliminar essa incerteza", disse Scott Brown, economista-chefe da Raymond James..

"Ainda está sendo um passo para frente e dois passos para trás com as negociações, mas há esperanças de uma melhora."

Os índices S&P 500 e Dow Jones caminhavam para interromper uma série de três semanas de perdas devido ao otimismo crescente de que as duas principais economias do mundo poderão se acalmar antes que mais tarifas dos EUA entrem em vigor na próxima semana.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade