0

Os sintomas de alguém despreparado para falar em público

Conheça os sintomas físicos e psicológicos de uma pessoa que não está pronta para fazer uma apresentação.

25 abr 2018
07h53
atualizado às 09h55
  • separator
  • comentários

Olá, Speaker!

Tudo bem com vocês?

Não é difícil perceber quando uma pessoa não se preparou o suficiente para uma apresentação em público. Afinal, existem muitos sintomas que acabam deixando claro esse despreparo.

O que muita gente não sabe é que esses sinais não ficam explícitos apenas no conteúdo da apresentação, mas que também influenciam em aspectos físicos e psicológicos do comunicador.

Conhecer esses sintomas pode ser um alerta de que é preciso investir mais em suas habilidades de oratória. Por isso mesmo, para a nossa conversa de hoje, vamos falar um pouco mais sobre esse assunto! Confira!

Foto: ShutterStock

Quais os sintomas psicológicos de quem não está preparado para uma apresentação?

Como costumo dizer aqui na The Speaker, o caminho mais eficaz para se livrar da insegurança e do medo de falar em público é investindo nas próprias habilidades, através de práticas de apresentação e estudos sobre comunicação e oratória.

Isso acontece porque não estar preparado para uma exposição oral tem consequências que afetam diretamente o psicológico do comunicador, prejudicando sua segurança e autoestima.

Os sintomas psicológicos mais comuns naqueles que não estão preparados para apresentações em público são nervosismo, ansiedade, baixa autoestima, pouca criatividade para interagir com a plateia e medo à exposição.

Esses sintomas são muito sérios, já que dificultam a vida do comunicador, fazendo com que ter uma boa exposição oral se torne uma tarefa praticamente impossível.

Afinal, é bastante improvável que alguém consiga conquistar a confiança do seu público sem antes sentir confiança em si mesmo e na própria apresentação. E comunicar-se bem se trata exatamente disso: ter a capacidade de transmitir ideias e informações de um jeito assertivo, gerando confiança naqueles que escutam.

O nervosismo atrapalha muito a performance de um comunicador. Na maioria das vezes, uma pessoa ansiosa ou com medo de falar em público não consegue expor tudo o que gostaria, gerando em si mesma uma enorme frustração. O cérebro acaba registrando esse sentimento de frustração e, quando o comunicador tiver que se apresentar em público novamente, essa imagem será resgatada inconscientemente, ampliando o nervosismo, como um ciclo vicioso.

Sintomas físicos: quais são eles?

Quando não estão preparadas para falar em público, as pessoas tendem a sentir mais ansiedade, como vimos no tópico anterior. Essa ansiedade, além de interferir na forma como nos comunicamos, também traz sintomas físicos, que se acentuam à medida que cresce o nosso próprio nervosismo.

Geralmente, os sintomas mais comuns em quem não se preparou para se apresentar em público são enjoos, suor excessivo, problemas na fala, mal-estar intestinal e até mesmo desmaios. Outro problema que aparece com frequência é o famoso “branco”, quando o comunicador tem lapsos de memória e acaba esquecendo o que queria transmitir ao seu público.

O despreparo em relação à oratória também tem outras faces, ligadas à linguagem não-verbal. Os comunicadores que não dominam bem as técnicas básicas de comunicação não usam a linguagem corporal corretamente, o que prejudica bastante a exposição oral.

Uma linguagem corporal típica de quem não se preparou para falar em público tem vários aspectos, sendo que os principais são:

- Má postura: ombros curvados ou cabeça baixa, por exemplo;

- Pouco ou nenhum contato visual com as pessoas da plateia;

- Uso equivocado da voz: volumes muito altos ou muito baixos e ritmos de fala lentos ou muito rápidos;

- Uso incorreto (excessivo ou insuficiente) dos gestos.

Como se pode notar, Speakers, os sintomas psicológicos e físicos de uma pessoa despreparada para falar em público estão intimamente relacionados entre si.

Para estar bem e, assim, ter condições de fazer uma boa apresentação em público, é fundamental se preparar, praticando e estudando com antecedência a própria fala, verificando erros, vícios de linguagem e tudo o que coloca em risco uma boa exposição oral.

Só assim, através de dedicação, é possível superar os sinais psicológicos e físicos do medo de falar em público e conseguir dominar as próprias emoções, fazendo com que corpo e mente funcionem em harmonia para uma comunicação assertiva.

Fonte:

www.thespeaker.com.br

Veja também:

 

The Speaker

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade