PUBLICIDADE

Setor de serviços do Brasil sofre tombo recorde em março por coronavírus, mostra PMI

3 abr 2020 - 10h03
(atualizado às 11h15)
Compartilhar
Exibir comentários

A atividade do setor de serviços do Brasil despencou em março, sofrendo o maior tombo desde o início da pesquisa 13 anos atrás, em um retrocesso atribuído quase que exclusivamente ao fechamento de empresas e à redução da demanda do consumidor devido às medidas adotadas para contenção do coronavírus, mostrou a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) nesta sexta-feira.

Ônibus enfileirados no Viaduto do Chá, em São Paulo
06/09/2019
REUTERS/Rahel Patrasso
Ônibus enfileirados no Viaduto do Chá, em São Paulo 06/09/2019 REUTERS/Rahel Patrasso
Foto: Reuters

O IHS Markit informou que o PMI de serviços do país desabou a 34,5 em março, de 50,4 no mês anterior, apontando a maior contração do setor nos 13 anos de história da pesquisa.

Em março, houve cancelamento de encomendas e fechamentos de empresas, combinação que resultou no maior declínio de novos trabalhos desde o início da pesquisa, em março de 2007.

As vendas para exportação também contraíram a um ritmo rápido que superou a queda no volume total de novos negócios, em meio ainda ao fechamento de fronteiras internacionais em resposta à pandemia.

"Os dados de março ilustram que o fechamento de empresas, cancelamento de encomendas e recuo da demanda do consumidor em meio à emergência de saúde pública do Covid-19 se traduziram em uma rápida queda na produção do setor de serviços", disse em nota o diretor de economia do IHS Markit, Tim Moore.

Com esse cenário, os fornecedores de serviços registraram queda no número de empregos e no ritmo mais forte desde outubro de 2016, diante da necessidade de reduzir os gastos operacionais.

O setor enfrentou ainda em março forte aumento nos custos, embora a taxa de inflação de insumos tenha sido a mais fraca desde novembro. O dólar forte e o aumento nos preços de itens importados foram considerados os principais responsáveis.

Assim os preços cobrados tiveram o maior aumento em três meses, com os entrevistados citando a necessidade de repasse dos custos, embora algumas empresas tenham sugerido que descontos foram oferecidos para ajudar a mitigar a queda da demanda.

O futuro é incerto, com a as expectativas mais fracas desde que a pesquisa começou em 2007, diante de preocupações de que a economia doméstica levará um longo tempo para se recuperar do choque provocado pelo coronavírus.

A contração recorde no PMI de serviços levou o PMI Composto do Brasil a despencar para 37,6 em março, de 50,9 em fevereiro, também o menor nível em 13 anos. A indústria também contraiu no mês, mas a um ritmo mais modesto.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade