3 eventos ao vivo

Alimentícias sofrem com protestos de caminhoneiros

Segundo dados da Associação Brasileira de Proteína Animal, 152 indústrias estão fechadas ou suspensas

25 mai 2018
16h55
atualizado às 17h33
  • separator
  • comentários

As processadoras de alimentos do Brasil vão sentir por meses os efeitos do bloqueio nesta semana das rodovias do país por caminhoneiros, disseram fontes da indústria nesta sexta-feira.

Greve nacional de caminhoneiros prejudicou as principais processadoras de alimentos do Brasil
Greve nacional de caminhoneiros prejudicou as principais processadoras de alimentos do Brasil
Foto: Rodolfo Buhrer / Reuters

Com os protestos contra os preços dos combustíveis agora em seu quinto dia e sem solução em vista, a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) disse que o número de plantas de processamento de aves e carne suína que interromperam a produção por falta de ração e espaço de armazenamento subiu para 152 unidades, ante 120 unidades, afetando mais de 220 mil trabalhadores.

"O governo deve intervir de maneira rápida e forte", disse a ABPA, acrescentando que 1 bilhão de frangos e outras aves e mais 20 milhões de suínos podem morrer de fome nos próximos dias.

"Em diversos locais já há falta de insumos e animais estão sem alimentação. Aqueles que ainda contam com estoques, estão fracionando para prolongar ao máximo a oferta do alimento", afirmou a ABPA em nota. Segundo a entidade, "a mortandade de animais é iminente e há risco de canibalização. Os reflexos sociais, ambientais e econômicos são imponderáveis".

O Sindicato das Indústrias da Carne e Derivados no Estado de Santa Catarina (Sindicarne) alertou sobre a ameaça iminente de "uma perda massiva de ativos biológicos nas principais regiões produtoras do Brasil".

O Estado responde por cerca de um terço dos suínos e 15 por cento dos frangos abatidos no país. O risco que decorre da morte em massa de animais causará um "impacto imprevisível de ordem sanitária", disse o Sindicarne.

Os caminhoneiros ainda não desbloquearam as rodovias, mesmo após o governo ter anunciado um acordo com a categoria, provocando escassez de combustíveis e afetando exportadores de grãos, automóveis e vários outros setores da economia.

Depois de cinco dias de greve, paralisação dos caminhoneiros continuam bloqueando as rodovias
Depois de cinco dias de greve, paralisação dos caminhoneiros continuam bloqueando as rodovias
Foto: Ueslei Marcelino / Reuters

O setor de alimentos já está sofrendo com os preços elevados da ração e uma investigação da Polícia Federal que resultou em fechamentos de plantas e proibição de exportações neste ano.

A BRF SA, JBS SA e Cooperativa CentralAurora, três das maiores processadoras de aves e suínos do Brasil, não quiseram comentar sobre os efeitos da paralisação, além das notas divulgadas mais cedo na semana. Eles fecharam temporariamente ou suspenderam produção em dezenas de plantas em conexão com os protestos dos caminhoneiros.

Dentre as processadoras de aves e suínos, a BRF foi uma das que fechou ou suspendeu a produção em suas plantas
Dentre as processadoras de aves e suínos, a BRF foi uma das que fechou ou suspendeu a produção em suas plantas
Foto: Paulo Whitaker / Reuters

Uma fonte de uma grande processadora doméstica de alimentos que não está autorizada a falar à imprensa disse que toda a cadeia de fornecimento, incluindo criadores de aves e suínos, precisará de meses para se recuperar.

Uma planta com capacidade de abater 500 mil aves por dia exige cerca de 140 milhões de reais em capital de giro e emprega ao menos 3.500 pessoas direta e indiretamente, disse a fonte.

"A situação é desesperadora e os prejuízos incalculáveis", disse a fonte.

 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade