PUBLICIDADE

Prepare-se agora para ataques cibernéticos em 6 etapas

Especialista selecionou recomendações sistemáticas para reduzir os danos causados.

3 jul 2022 - 03h00
Ver comentários
Publicidade
Jens Bothe, do OTRS Group
Jens Bothe, do OTRS Group
Foto: Divulgação

A CISA (Cybersecurity & Infrastructure Security Agency), com sede nos Estados Unidos, acaba de lançar um Conselho de Segurança Cibernética (Cyber Security Advisory) conjunto com países de todo o mundo para alertar os provedores de serviços gerenciados (MSPs) sobre o perigo crescente de ataques de cibersegurança. 

O comunicado alerta que atores mal-intencionados, incluindo grupos de ameaças patrocinados, podem tentar explorar MSPs vulneráveis para obter acesso aos dados e processos de negócios de seus clientes. Jens Bothe, vice-presidente de segurança da informação do OTRS Group, concorda e destaca seis etapas para reduzir os danos causados.

“Atualmente, não é apenas a quantidade de incidentes de segurança em várias áreas de consumo que aumentaram, mas também há um aumento dos ataques aos sistemas e às cadeias de suprimentos de TI. Mais recentemente, começou com a vulnerabilidade do Log4Shell e passou por explorações de dia zero em alguns fornecedores de TI”, explica Bothe. “Os invasores estão aproveitando as vulnerabilidades da cadeia de fornecimento de software, não visando diretamente empresas específicas, mas buscando criar danos por meio da proliferação e reutilização de componentes de software amplamente utilizados.”

Para se armar nessa situação de ameaça crescente, é importante que os MSPs e as empresas, conforme recomendado pelo CSA, revisem e aumentem ainda mais suas precauções de segurança. Ao fazê-lo, é importante não focar apenas em evitar o perigo, mas também preparar o curso de ação necessário em caso de incidente de segurança e apoiá-lo com sistemas adequados para que se possa agir rapidamente em caso de ataques cibernéticos. 

Isso evita o caos desnecessário em caso de crise e mantém o dano resultante o mais baixo possível. O gerenciamento sistemático de incidentes de segurança prepara as empresas e seus funcionários da melhor maneira possível para lidar com incidentes de segurança. Sistemas poderosos, como o STORM, desenvolvido pela OTRS, apoiam as empresas nesse processo.

Os processos automatizados ajudam as equipes de segurança a responder de maneira ideal aos incidentes. A base para lidar com incidentes de segurança é a criação de um plano no qual as tarefas e responsabilidades são definidas. Em um plano de resposta a incidentes, todas as ações necessárias são definidas e as responsabilidades são claramente definidas - as seguintes fases são recomendadas para esse fim:

1. Preparação

Com base nas melhores práticas comprovadas, todas as fases importantes são definidas com uma ferramenta adequada. Desta forma, no caso de um incidente de segurança, as informações necessárias para uma resposta podem ser reunidas em um curto espaço de tempo. A comunicação entre todas as partes envolvidas pode ser preparada e as informações de contato prontas.

2. Análise: identificar se ocorreu um incidente

A análise de dados de sistemas de gerenciamento de log, IDS/IPS, sistemas de compartilhamento de ameaças, bem como logs de firewall e atividade de rede, ajuda a classificar os incidentes de segurança. Uma vez identificada uma ameaça, ela deve ser documentada e comunicada de acordo com a política estabelecida.

3. Contenção: controle a propagação

Decidir qual estratégia usar desempenha o maior papel. A questão principal é qual vulnerabilidade permitiu que uma intrusão ocorresse. A mitigação rápida, como isolar um segmento de rede, é o primeiro passo em muitos incidentes, após os quais a análise forense é frequentemente procurada para avaliação.

4. Erradicação: feche as lacunas de segurança

Uma vez que a ameaça potencial é contida, a causa raiz do incidente de segurança deve ser encontrada. Para fazer isso, todos os malwares devem ser removidos com segurança, os sistemas corrigidos, as atualizações aplicadas e o software atualizado, se necessário. Portanto, os sistemas devem ser atualizados para o nível de patch mais recente e devem ser atribuídas senhas que atendam a todos os requisitos de segurança.

5. Recuperação: reative sistemas e dispositivos

Para retornar à operação normal do sistema, verificações constantes devem ser feitas para garantir que todos os sistemas estejam funcionando conforme o esperado. Isso é garantido por meio de testes e monitoramento por um longo período. Durante essa fase, a equipe de resposta a incidentes determina quando as operações serão restauradas e se os sistemas infectados foram totalmente limpos.

6. Lições Aprendidas: o que deu certo e o que não deu

Após a Fase 5, uma reunião de encerramento deve ser realizada com todas as partes envolvidas. Aqui, as questões em aberto devem ser esclarecidas e o incidente de segurança deve ser finalmente encerrado. Com os insights obtidos com essa troca, melhorias para incidentes futuros podem ser identificadas e definidas.

(*) HOMEWORK inspira transformação, com inteligência digital e capricho artesanal. Nosso jornalismo impacta milhares de leitores todos os dias. E nossas soluções de conteúdo sob medida atendem grandes empresas de todos os tamanhos. Saiba mais sobre nossos projetos e entre em contato!

Homework Homework
Publicidade
Publicidade